Segredos não tão secretos do sucesso profissional

Ninguém nasce com todas essas características e habilidades necessárias ao sucesso. Elas podem ser desenvolvidas, quando se é persistente

SÃO PAULO – Ser bem-sucedido na carreira é o sonho de muitos profissionais. Mas já parou para pensar no que significa ter sucesso? Na opinião do diretor da BPI no Brasil, Gilberto Guimarães, um profissional bem-sucedido é aquele que faz o que mais gosta no mundo e ainda é bem pago por isso.

Após essa definição, fica claro qual é o primeiro passo para quem almeja ao sucesso: descobrir o que realmente gosta de fazer. Para tanto, utilize as diversas metodologias disponíveis no mercado, converse com pessoas próximas ou até mesmo com um consultor de carreira ou coach. Quando o trabalho é fonte de prazer, e não somente de estresse ou sofrimento, é mais fácil ser bem-sucedido.

Passo 2

De acordo com o consultor da LCZ Desenvolvimento de Pessoas e Organizações, Paulo Celso de Toledo Jr., existe um tripé que sustenta os profissionais de sucesso.

PUBLICIDADE

A primeira ponta do tripé diz respeito aos conhecimentos técnicos, como idiomas, informática, finanças e marketing, que são adquiridos por meio de estudo e leitura.

Já a segunda está relacionada às habilidades que facilitam o uso do conhecimento, como o dom de se comunicar, de negociar e de trabalhar em equipe.

Por fim, podemos considerar como a última ponta do tripé o comportamento do profissional em si, a sua personalidade. Isto é, como ele se porta no cotidiano, se é proativo, flexível, se respeita e valoriza as pessoas ao seu redor, se é ético.

Alguém é predestinado ao sucesso?

Todas as pontas do tripé são essenciais para o sucesso. Parece muito? A boa notícia é que ninguém nasce com todas essas características e habilidades. Elas podem ser desenvolvidas, quando se é persistente.

No entanto, não adianta ter todas as pontas do tripé se não houver senso de oportunidade. “Noventa por cento do sucesso é constituído por transpiração, 8%, por inspiração e 2%, por senso de oportunidade”, opina Toledo, ao acrescentar: “as pessoas bem-sucedidas são aquelas que correm atrás do que querem. Quem fica parado está condenado a ficar onde está, se é que vai ficar, já que as empresas não valorizam profissionais acomodados”.

O consultor da LCZ recomenda não só saber perceber as oportunidades como também estar preparado quando elas surgirem. Por exemplo, para quem trabalha em multinacionais, estudar outros idiomas é fundamental, uma vez que, cedo ou tarde, poderá ter de participar de reuniões e treinamentos em outros países, ou até mesmo ser transferido para uma unidade da empresa no exterior.

Seja solução, e não problema!

Gilberto Guimarães faz questão de ressaltar que as pessoas bem-sucedidas são solução, e não problema. Segundo ele, as empresas têm necessidades específicas, de maneira que preferem profissionais que irão trazer soluções para os problemas, e não gerar mais problemas, ou não somar em nada à equipe. Por exemplo, uma companhia de publicidade e propaganda pode estar à procura de gente criativa, enquanto outra de auditoria pode estar precisando de pessoas perfeccionistas.

Por fim, segundo ele, existem características essenciais para a obtenção do sucesso. Elas, sozinhas, não bastam para que alguém seja bem-sucedido, mas, sem elas, é muito mais difícil chegar ao topo. Confira:

  • Autoconfiança;
  • Determinação. Esta habilidade só vale quando o profissional não fica cego à realidade que o cerca. Persistência não pode ser confundida com teimosia;
  • Proatividade;
  • Boa vontade e prestatividade;
  • Capacidade de influenciar as pessoas, tanto por meio da razão quanto por meio da emoção. Os carismáticos, por exemplo, costumam influenciar os demais se utilizando do emocional;
  • Saber controlar emoções;
  • PUBLICIDADE

  • Capacidade de antecipar hoje o que acontecerá futuramente;
  • Saber desenvolver empatia. No dicionário, empatia é a “capacidade psicológica para se identificar com o eu de outro, conseguindo sentir o mesmo que este nas situações e circunstâncias por esse outro vivenciadas”. De acordo com Guimarães, perceber os outros e conseguir ser percebido também é fundamental;
  • Flexibilidade. Os bem-sucedidos mudam constantemente de opinião;
  • Capacidade de respeitar as individualidades alheias.