Segmento de aplicativo para celular está de olho em profissionais

Nos primeiros seis meses de 2010, segmento já abocanhou US$ 2,2 bilhões por meio de downloads no mundo todo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O bom momento da economia abre portas para as mais variadas áreas de atuação para os profissionais brasileiros. É o caso dos aplicativos para celular, que nos primeiros seis meses de 2010 já abocanhou US$ 2,2 bilhões por meio de downloads no mundo todo, segundo a Research 2 Guidance. 

Este novo nicho de mercado vem elevando as ofertas de emprego aos profissionais que buscam contornar a rotina “tradicional” das corporações. “Podemos destacar alguns profissionais, o programador e o designer (artista). São dois perfis totalmente diferentes, mas que compartilham da mesma paixão: os jogos eletrônicos. Um depende do outro, totalmente”, afirma o instrutor da escola de arte digital Saga, Diogo Ferreira.

O programador, explica Ferreira, é a pessoa que “coloca as coisas para funcionar”, que determina o comportamento dos processos dentro do jogo. Já o designer cria o visual, os desenhos, ou seja, tudo que é visto.

Aprenda a investir na bolsa

No caso do celular, por exemplo, o artista é chamado de pixel artist, pois trabalha literalmente com cada ponto da tela do aparelho – o pixel para formar as imagens. “Hoje em dia, com o avanço da tecnologia, alguns celulares são capazes de gerar imagens em 3D”, reconhece Ferreira.

Perfil
O programador geralmente é um profissional formado em Ciência da Computação. Já o designer pode ter formação em Design ou Artes Plásticas, ou simplesmente ter feito cursos específicos em arte digital e animação.

De acordo com Ferreira, para ambos os profissionais, a média de salário gira entre R$ 2 mil e R$ 4 mil, com uma média de três anos de experiência na área. São Paulo, principalmente, mas também o Recife, são as capitais que mais demandam por essa mão de obra.

Boa parte dos desenvolvedores atua por meio de um contrato com uma empresa, podendo tanto ser no regime CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) ou PJ (Pessoa Jurídica). É muito comum que atuem como freelancers, mesmo quando estão empregados, fazendo hora extra.

Uma dica: é interessante, para se tornar desenvolvedor de aplicativos para celulares, dominar inicialmente uma das plataformas líderes de mercado, em especial Apple e BlackBerry.

Pesquisar e estudar novos ambientes, como o Windows Phone 7, que tem previsão de chegar ao mercado no final do ano, é uma boa opção, já que a perspectiva de demanda é grande.

PUBLICIDADE