RADAR INFOMONEY Ações da WEG disparam 137% no ano e Bolsa segue de olho em impasse do pacote de estímulo nos EUA

Ações da WEG disparam 137% no ano e Bolsa segue de olho em impasse do pacote de estímulo nos EUA

Sebrae-SP: faturamento das micro e pequenas empresas caiu 2,7% até novembro

No entanto, na comparação entre novembro de 2006 e novembro de 2005, houve alta de 4,8%

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O faturamento real das micro e pequenas empresas paulistas registrou queda de 2,3% de janeiro a novembro de 2006. Considerando os resultados obtidos nos onze primeiros meses do ano passado, espera-se diminuição de 2% em 2006 na comparação com 2005.

No entanto, na comparação entre novembro de 2006 e novembro de 2005, houve alta de 4,8%, ou seja, acréscimo de R$ 1,2 bilhão no universo das MPEs paulistas.

Os dados são do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), que divulgou sua Pesquisa Indicadores Sebrae-SP nesta sexta-feira (12).

Análise regional

Aprenda a investir na bolsa

Entre o acumulado de janeiro a novembro de 2005 e 2006, a maior queda no faturamento coube à capital paulista, uma vez que as MPEs do município viram sua receita real cair 3,2%. Em seguida, vieram a Região Metropolitana (-2,5%) e o Interior (-2,1%). Já as empresas do Grande ABC tiveram faturamento 0,9% maior.

Faturamento por setor

De acordo com a pesquisa, o faturamento dos setores de Comércio e Serviços registram queda de 3,2% nos onze primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período de 2005. Já a Indústria teve alta de 1,8%, única a apresentar ganhos em 2006.

Segundo o coordenador do Observatório das MPEs do Sebrae, Marco Aurélio Bedê, “sazonalmente, o último trimestre do ano é o melhor período para as MPEs. As vendas das MPEs da indústria costumam aumentar em outubro e as do comércio em novembro e dezembro. No entanto, em 2006, o que verificamos foi um atraso, tendo esse processo se iniciado apenas a partir de novembro. Mas apesar do reaquecimento tardio, isso não será suficiente para recuperar as perdas do ano”.

Salários

Em novembro, os rendimentos dos trabalhadores das micro e pequenas empresas sofreram reajuste de 7,1% em relação ao décimo primeiro mês do ano anterior. Em relação a outubro último, o aumento foi de 27,8% (influenciado pelas gratificações do 13º salário).

O rendimento médio real dos empregados das MPEs foi para R$ 2.613,00, marcando o melhor resultado de novembro dos últimos 4 anos. “O que reflete a tendência de recuperação dos salários na economia brasileira”, comenta Bedê.

Sobre a pesquisa

A Pesquisa Indicadores, realizada mensalmente pelo Sebrae-SP, analisa o desempenho de 2,7 mil micro e pequenas empresas, amostra representativa no universo das MPEs da indústria da transformação, comércio e serviços da capital, região metropolitana de SP, ABC e interior.

PUBLICIDADE