Seade/Dieese: desemprego na Grande SP cai ao menor nível desde 1997

O contingente de trabalhadores sem emprego foi reduzido em 41 mil pessoas, devido à criação de 163 mil postos de trabalho

SÃO PAULO – A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo passou de 16,4% para 15,8% da PEA (População Economicamente Ativa) entre novembro e dezembro, o menor patamar desde 1997. A PEA de São Paulo fechou o último mês do ano em 10,2 milhões de pessoas.

De acordo com a Fundação Seade e com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos), que divulgaram a Pesquisa de Emprego e Desemprego nesta terça-feira (31), no confronto com igual período do ano anterior, a redução da taxa chega a 1,3 ponto percentual, uma vez que em dezembro de 2004 ela era de 17,1%.

Com isto, o contingente de trabalhadores sem emprego, em relação a novembro, foi reduzido em 41 mil pessoas, devido à criação de 163 mil postos de trabalho.

Desempregados

PUBLICIDADE

A pesquisa revela também que o contingente de desempregados caiu para 1,607 milhão na região metropolitana de São Paulo em dezembro. Este número é 6,5% menor que o registrado no mesmo período do ano passado (1,71 milhão).

O nível de desemprego aberto, que representa o conjunto de pessoas sem ocupação à procura de trabalho, caiu de 10,2%, em novembro, para os atuais 9,7%.

O desemprego oculto por desalento – que inclui quem ficou sem trabalho e, depois de procurar emprego por muito tempo, acabou desistindo da busca – recuou para 1,4% em dezembro, diante da taxa de 1,6% observada um mês antes.

Já a taxa de desemprego oculto pelo trabalho precário, que engloba as pessoas que possuem uma ocupação temporária mas que estão procurando emprego, passou de 4,6% em novembro para 4,7% no último mês de 2005.

Segmentos da população e regiões

O resultado favoreceu a maioria dos segmentos da população, destacando-se os não-chefes de domicílio (5,5%), as mulheres (3,7%), as pessoas com 40 anos de idade ou mais (7,0%) e com o ensino médio incompleto (6,5%).

A demora para se conseguir uma nova colocação em dezembro foi estimada em 53 semanas, uma semana a menos do que nos quatro meses anteriores. Quando comparado a dezembro de 2004, o tempo de espera atual é três semanas menor.

No município de São Paulo, a taxa de desocupação caiu de 15,9% para 15,4% da PEA na passagem de novembro para dezembro. Um ano antes a taxa estava em 16,4%. O indicador das demais cidades da região metropolitana caiu de 17,1% para 16,4%, patamar também inferior ao registrado em dezembro do ano anterior (18,0%).

O menor nível de desemprego está novamente na região do ABC: 14,4%. O índice atingiu seu menor valor desde 1998. A queda foi de 0,7 pp em relação a novembro (15,1%) e 2,7 pp comparado a dezembro de 2004.

População ocupada

A população ocupada (PO) da região metropolitana de São Paulo, estimada em 84,2% da PEA, atingiu 8,566 milhões de pessoas em dezembro, um avanço de 2,8% frente ao resultado de dezembro de 2004.

Na análise setorial, o setor de Serviços segue como o maior empregador, com 4,506 milhões de pessoas ocupadas. Em contrapartida, o segmento Outros, que inclui a construção civil e os serviços domésticos, atualmente responde por 985 mil pessoas ocupadas.

Em termos de forma de inserção no mercado de trabalho, o que se verifica é que a maior parcela da população ocupada possui emprego com carteira assinada no setor privado (3,538 milhões). Em seguida ficam os autônomos (1,799 milhões), os sem carteira assinada do setor privado (1,225 milhões) e os funcionários públicos (660 mil).