Saúde e aparência: a importância de dentes bem tratados para a carreira

Para quem pensa que é uma questão irrelevante, saiba que um bom sorriso é critério de seleção ou de desempate

SÃO PAULO – Enquanto alguns consideram uma questão de aparência, outros vão além e dizem que dentes bem tratados estão relacionados à saúde. Mas o que muitos não sabem é que cuidar do sorriso é fundamental, quando o assunto é a vida profissional. De acordo com a consultora do serviço de consultoria virtual da Catho Online, Gláucia Santos, o sorriso interfere na procura por um emprego. “A face chama muita atenção, porque é para onde as pessoas olham quando falam umas com as outras”.

O selecionador sempre estará articulado ao setor da empresa para a qual está realizando a contratação. Porém, dificilmente ele vai colocar de forma clara que é um pré-requisito ter um sorriso bem tratado, a não ser para empresas que trabalham diretamente com a aparência. “Se for da área de saúde, cosméticos, eventos, por exemplo, esses ramos requerem um sorriso bem tratado como pré-requisito”. Em alguns casos, é um critério claro de seleção. Em outros, pode ser uma questão de desempate.

E quem trabalha no escritório não escapa desse pré-requisito. De acordo com Gláucia, as empresas se preocupam com o sorriso, mesmo se o profissional não lida diretamente com o público. “É importante porque conversa com supervisores e diretores”.

Apoio ao trabalhador

PUBLICIDADE

A supervisora ainda disse que vem ficando cada vez mais comum as empresas oferecerem serviços odontológicos aos funcionários, porque profissionais bem cuidados faltam menos. A vantagem é que, como a empresa tem bastante empregados, o valor mensal cai de modo significativo.

De acordo com o diretor de operações da Prodent – empresa que vende planos odontológicos, Rodrigo Rosolem Califoni, o interesse pelo produto não pára de crescer. “Em dezembro de 2006, aproximadamente 6,5 milhões de pessoas eram usuárias de planos odontológicos. Esse número subiu para 7,3 milhões em novembro de 2007, um salto de cerca de 12%. A qualidade de vida é uma motivação para o profissional”, afirmou.

A Prodent só trabalha com as empresas. “O funcionário paga, em média, R$ 13 por mês por um plano básico. Mas há empresas que arcam com o valor. Aí, a adesão da equipe é maior”. Na Prontodente Dental Cheque, o atendimento é tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. Conforme disse o presidente, Murtrajan de Albuquerque Cavalcanti, a maior parte dos clientes é formada por empresas: o custo cai de R$ 50 (pessoas físicas) para R$ 15 (jurídicas).

“A odontologia no Brasil é vista como uma questão cosmética, mas várias doenças podem ser detectadas por um dentista, inclusive a Aids. As empresas estão acordando para isso”, disse ao Diário do Comércio.