Salários de servidores públicos são um roubo à população, diz Economist

Outro abuso é o fato que a maioria dos brasileiros ganha 13 salários por ano, mas muitos membros do Congresso recebem 15

SÃO PAULO – A revista britânica, The Economist, publicou, nesta semana, uma reportagem que afirma que o salário dos servidores públicos no Brasil são um roubo à população. Como exemplo, a publicação afirma que 350 funcionários da prefeitura de São Paulo ganham mais de de R$ 7 mil, salário superior ao do presidente da Câmara.

A média salarial dos servidores chega ser dez vezes maior do que de empregados da rede privada. É o caso do cargo de enfermeira-chefe da prefeitura da capital paulista, que recebe R$ 18.300 por mês, ou seja 12 vezes mais do que um enfermeira-chefe em um hospital privado.

A reportagem lembra ainda que segundo a Constituição Brasileira, nenhum funcionário pode ganhar mais do um juiz do Supremo Tribunal Federal, cujo o salário atual é de R$ 26.700. Entretanto, um terço dos ministros e cerca de 4 mil funcionários federais ultrapassam o teto salarial.

PUBLICIDADE

“José Sarney, um presidente [do Senado] medíocre, ganha R$ 62 mil reais por mês, entre o seu salário como senador e duas pensões a partir de passagens anteriores como governador e um de juiz em seu estado natal, Maranhão”.

Outro abuso aos contribuintes é o fato que a maioria dos brasileiros ganha 13 salários por ano, mas muitos membros do Congresso recebem 15. “A folha de pagamento é maior ainda porque cada senador pode nomear 50 funcionários e cada parlamentar 25. Com isso, o Congresso gasta 6 bilhões”.

Lei de Acesso à Informação
Por fim, a revista declara que a presidente Dilma Rousseff está utilizando da Lei de Acesso à Informação, sancionada no mês passado, para revelar atrocidades do regime militar e expor os salários gordos de políticos e burocratas.

“Dilma prometeu que o governo federal vai colocar todos os nomes de seus funcionário e salários on-line a partir do final de junho. O Supremo Tribunal Federal e o Congresso concordaram em seguir o exemplo”.