Salário médio do trabalhador brasileiro cresce 22,36% em cinco anos

Nos seis primeiros meses, o rendimento médio do trabalhador passou de R$ 568,88 em 2003 para R$ 696,10 em 2008

SÃO PAULO – O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, divulgou nesta quinta-feira (14) dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) que revelam que a renda média do trabalhador passou de R$ 568,88, nos seis primeiros meses de 2003, para R$ 696,10, no mesmo período de 2008.

Isso significa que o salário médio do brasileiro teve um aumento de 23,36% nos últimos cinco anos.

Esse aumento decorre da elevação generalizada em todas as Unidades da Federação, com destaque para o estado do Maranhão, com alta de 38,71%, seguido pelo Acre, com 37,08%.

Em compensação, registraram a menor elevação nos cinco anos Amazonas (12,87%), Distrito Federal (13,10%) e São Paulo (15,67%).

Decresce a diferença estadual

O levantamento revela ainda que, no primeiro semestre de 2008, a variação entre a média do maior salário de admissão, registrado em São Paulo (R$ 818,09), e do menor, no Piauí (R$ 499), foi de 64%.

Cinco anos atrás, esta diferença era de 85,38%, expressa pelos salários de R$ 707,27 verificados em São Paulo e de R$ 381,52 no Piauí. Ou seja, houve uma queda de 21,38 pontos percentuais entre 2003 e 2008, comprovando que as diferenças salariais estão diminuindo com o crescimento generalizado da economia brasileira.

“Os números verificados principalmente no Nordeste comprovam aquilo que venho falando há mais de um ano: o aumento real do salário mínimo. Isso significa a melhor distribuição de renda que um país pode ter, porque você aumenta o poder de compra da base da pirâmide”, destacou em coletiva de imprensa o ministro Carlos Lupi, no Rio de Janeiro.

Questão de gênero

Apesar de homens e mulheres conquistarem expansão nos salários médios de admissão nos últimos cinco anos, o crescimento entre a ala masculina segue maior que a feminina: 23,91% e 19,42%, respectivamente.

Essa taxa de crescimento maior levou a uma maior distância entre a participação dos salários médios de homens e mulheres. Em 2003, os salários das trabalhadoras eram 8,11% mais baixos do que os dos homens, e esta distância ampliou-se para 11,43% em 2008.

Em um ano

PUBLICIDADE

Em relação ao primeiro semestre de 2007, os salários médios dos trabalhadores apresentaram um aumento real de 3,90% de janeiro a junho deste ano, ao passarem de R$ 669,96 para R$ 696,10.

Os estados que registraram os maiores salários médios no semestre foram: São Paulo (R$ 818,09), Rio de Janeiro (R$ 792,60), Distrito Federal (R$ 762,50), Amazonas (R$ 679,77) e Santa Catarina (R$ 644,56).