Salário é principal fator de insatisfação com trabalho para executivos no mundo

Apesar da insatisfação, 70% das executivas e 69% dos executivos pretendem continuar nas companhias onde atuam

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O salário é o principal motivo de insatisfação com o trabalho para executivos homens e mulheres do mundo inteiro, revelou pesquisa da Accenture realizada com 3,4 mil profissionais de 29 países, incluindo o Brasil.

De acordo com os dados, apenas 43% das mulheres e 42% dos homens se sentem satisfeitos com o emprego que possuem.

Entre os insatisfeitos, além do salário baixo, que atinge 43% das mulheres e 42% dos homens, os motivos para se sentirem desta forma são a falta de oportunidade de crescimento, apontada por 36% das mulheres e 32% dos homens, a ausência de chances para avanço de carreira (33% entre elas e 34% entre eles) e o fator de se sentirem presos em suas funções (29% entre elas e 32% entre eles).

Aprenda a investir na bolsa

Manter no emprego
Apesar da insatisfação, 70% das executivas e 69% dos executivos pretendem continuar nas companhias onde se encontram atualmente. Além disso, 59% delas e 57% deles têm a intenção de fazer investimentos na carreira.

“Nós estamos vendo mudanças nas dinâmicas de trabalho”, disse a chief leadership officer da Accenture, Adrian Lajtha.

“Hoje os profissionais não estão à procura de novos empregos, mesmo demonstrando insatisfação. Ficou claro que o foco agora é na melhoria de suas habilidades e em treinamento, além de coaching para atingirem seus objetivos”, completou.

Nível na carreira
Em relação ao nível que atingiram na carreira, 55% das mulheres e 57% dos homens disseram estar satisfeitos com isso, porém, 67% delas acreditam que suas carreiras não têm evoluído rapidamente, percentual bem acima do que o dos homens, de 55%.

Entre os fatores essenciais para prosseguirem com suas carreiras, os entrevistados citaram mais uma melhor compensação financeira (65% das mulheres e 67% dos homens), novos desafios profissionais (44% versus 48%), arranjos de trabalho flexíveis (39% versus 34%) e uma posição de liderança (22% versus 28%).

 

PUBLICIDADE