Saiba quais são os principais motivos para a ausência em processos seletivos

A falta de interesse pela vaga é o motivo que mais justifica a ausência em entrevistas presenciais

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Um total de 64,7% dos profissionais disseram nunca ter deixado de comparecer a um processo seletivo, no entanto, 64% conhecem alguém que já o fez, apontou pesquisa realizada pela Curriculum.

O principal motivo para a ausência dos profissionais em processos seletivos foi a falta de interesse pela vaga. Outra entrevista na mesma data, localização da empresa e imprevistos também foram citados como justificativa.

A pesquisa foi realizada com mais de 36 mil pessoas, com idade de 20 a 40 anos e com ensino médio completo.

Aprenda a investir na bolsa

Aviso
Mais da metade dos profissionais que faltam aos processos não avisa sobre o não comparecimento. Muitos afirmaram que não acreditavam que a ligação faria diferença, enquanto outros acharam que não era necessário avisar ou tinham vergonha.

“Se um profissional não tem interesse pela vaga, é melhor deixar a oportunidade para quem realmente tem vontade de participar do processo seletivo. Se ele confirma presença mesmo sem interesse, isso demonstra falta de comunicação clara com o recrutador”, afirmou o presidente da Curriculum, Marcelo Abrileri.

Em relação ao prejuízo, mais de 70% disseram que têm ciência de que podem ser prejudicados pela ausência na entrevista. Já 15,4% responderam que não seriam prejudicados, pois não se interessavam pelo processo, e 9,2% acreditam que faltar não os prejudica.

Processo
A maioria dos participantes da pesquisa (37,5%) respondeu que os processos seletivos não avaliam bem o perfil do candidato. Já 18,6% acreditam que as entrevistas pessoais fazem com que o profissional não se sinta à vontade, enquanto 36,9% se sentiram humilhados ou desvalorizados em uma entrevista de emprego.

O maior problema observado foi a falta de retorno da empresa após o processo seletivo. A segunda maior queixa é em relação à discriminação étnica, sexual ou socioeconômica.