Saiba por que comparar a empresa com outras impacta a evolução profissional

Para aqueles que sempre acham que a empresa em que trabalha é pior do que as outras, um alerta: atitude pode adiar promoções

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – No meio corporativo é comum a figura do profissional que está sempre comparando a empresa com outras, chegando à conclusão de que o local no qual trabalha é muito pior do que qualquer outro, ou invariavelmente melhor.

Tal comportamento, contudo, segundo alertam especialistas, pode impactar de forma negativa na evolução do profissional.

No caso daqueles que sempre acham que a empresa em que trabalha é pior do que as outras, na opinião da diretora de consultoria da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Sônia Helena Garcia, pode ocorrer um adiamento de promoções e uma desvalorização do profissional.

PUBLICIDADE

Imagem
A headhunter da De Bernt Entschev Human Capital, Cristina Reininger, concorda e diz que o hábito pode prejudicar a imagem do profissional, além de demonstrar que, provavelmente, a pessoa não fez um planejamento de carreira e é imatura profissionalmente.

“Se não há coisas boas a falar, é melhor não dizer nada. A pessoa fica com fama de descontente e insatisfeita e mostra que não pesquisou sobre a empresa e seus valores, aceitando o emprego apenas por motivação salarial”, avalia Cristina.

Outra consequência da atitude, completa Sônia, é a dificuldade para arranjar uma nova colocação. “A informação acaba vazando e a pessoa pode ter dificuldade até de arrumar um novo emprego”.

A melhor do mundo!
Ao contrário do que se pode imaginar, ter para si que a empresa onde trabalha é a melhor do mundo, também pode impactar negativamente a vida profissional.

Neste caso, explica Sônia, o problema é não olhar para o mercado de trabalho. “Todas as posturas extremas são ruins. Pessoas que acreditam que a empresa é o melhor lugar do mundo mostram uma possível resistência a mudanças e traduzem uma má percepção da realidade, já que todos os lugares têm pontos positivos e negativos”.

A consultora lembra ainda que, na eventualidade deste profissional ser demitido, ele pode enfrentar dificuldades para se inserir no mercado, sobretudo, se não procurou se atualizar.