Emprego

Saiba por que aceitar uma contraproposta pode queimá-lo no mercado

Aceite pode impactar negativamente a carreira de um profissional, que além de receber um salário superior para executar a mesma função dos seus pares, pode ainda deixar de ser assediado pelo mercado

Pessoas fecham negócio
Pessoas fecham empréstimo

SÃO PAULO – Hoje, mais do que nunca, companhias de todo o País têm utilizado o velho artifício da contraproposta salarial para evitar a perda de bons profissionais para o mercado. A prática pode até parecer positiva num primeiro instante, especialmente por aqueles que têm a chance de ter seu salário dobrado, mas de acordo com a situação, o aceite de uma contraproposta pode mesmo, é impactar negativamente a carreira de um profissional perante o mercado.

Segundo o diretor da De Bernt Entschev Human Capital, Rômulo Machado, os principais riscos de aceitar uma contraproposta da chefia são dois: se queimar com a companhia em que estava pleiteando uma vaga e ter um salário superior ao dos colegas de trabalho para exercer a mesma função.

“O headhunter dificilmente procurará o candidato para novas oportunidades com receio que ele recue no último momento novamente e o colaborador correrá o risco de ser o primeiro a ser cotado em uma demissão,por receber um salário superior que seus colegas para um cargo base”, explica.

PUBLICIDADE

O consultor de Carreira da Thomas Case & Associados, Eduardo Bahi, vai além. “Ficar em uma empresa que fez uma contraproposta apenas por questões salariais é uma loucura. Eu, particularmente, recomendo aos meus clientes que não aceitem, pois uma contraproposta tem que trazer também um plano de carreira para o profissional. Do contrário, ele também passará a ser malvisto pelos seus pares”, diz.

O que fazer
Por isso, ao ser assediado pela própria empresa, o ideal é que o profissional avalie primeiramente se a contraproposta vem com aumento salarial e um novo cargo, ou não. Em caso negativo, a melhor dica é recusar a oferta da chefia e partir para o mercado, afinal, permanecer na organização só não é malvisto quando o colaborador que recebe a proposta é convidado a aprender novas funções.

Empresa também se “queima”
A contraproposta não traz prejuízos unicamente a imagem de um colaborador, mas também à do empregador que muitas vezes se esquece de avaliar a mensagem que está passando aos seus funcionários ao realizar tal oferta.

“O uso dessa prática pode causar uma reação em cadeia na companhia. Ao ver que um colega teve um ganho de remuneração, outros profissionais podem buscar o mercado para barganhar um aumento. Além disso, nada impede que um contratado peça também um aumento ao saber da remuneração de um colega na mesma função”, avalia Machado.

E como se não bastasse o problema já descrito anteriormente, a situação pode se agravar ainda mais para o gestor, que pode “sem querer”, desvalorizar ainda mais o contratado.

“O profissional pode se sentir ainda mais desvalorizado, pois irá pensar por qual razão o chefe apenas está oferecendo aumento para ele no momento de sua saída da companhia e não antes, por mérito”, informa o diretor da De Bernt Entschev Human Capital.