RJ: comércio prevê contratação de 30 mil temporários para final do ano

Os dados apontam que 82% pretendem contratar, 8% não planejam fazer admissões e 10% ainda não decidiram

SÃO PAULO – O comércio varejista da cidade do Rio de Janeiro deverá contratar 30 mil funcionários temporários para atender à demanda de final de ano. É o que aponta um estudo realizado pelo CDL-Rio (Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro).

Os dados apontam que, das 500 empresas consultadas, 82% pretendem contratar para esse período, 8% não planejam fazer admissões e 10% ainda não decidiram.

Motivos da contratação
O presidente da entidade, Aldo Gonçalves, afirma que a expectativa pode ser explicada por dois motivos. O primeiro é que, ao longo do ano, o comércio passou por ajustes e essas contratações são uma maneira de repor os postos de trabalho.

PUBLICIDADE

Já o segundo é que o período precede a alta temporada do verão, estação considerada a mais importante para a economia fluminense, quando a cidade recebe um grande número de turistas do País e do exterior.

“A combinação desses dois fatores, associada ao otimismo, que deve ser a marca deste Natal para o comércio, motivou essa estimativa de crescimento do número de empregos temporários a serem criados”, diz o presidente do CDL-RIO, Aldo Gonçalves.

Região
Na análise por região, as Zonas Sul e Norte foram as que mais se destacaram, com os maiores percentuais de empresas interessadas em contratar temporários: 45% e 25%, respectivamente.

Das empresas analisadas, apenas 5% já se adiantaram e aumentaram o quadro com temporários. Essas contratações costumam ocorrer a partir das últimas semanas de setembro, intensificando-se em outubro e novembro.

Perfil das vagas
Em relação ao perfil das vagas, do total, 40% representam o primeiro emprego, sendo a faixa etária predominante a de 18 a 25 anos, 60% são do sexo feminino e 40% do sexo masculino.

A pesquisa revela também que 67% dos empresários informaram que há a possibilidade de efetivação de cerca de 20% dos temporários contratados.

Brasil
Já a Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário) estima que o Brasil deve gerar 139 mil empregos temporários até o Natal, o que representa um crescimento de 11% frente ao mesmo período do ano passado.

O presidente da entidade, Vander Morales, acredita que esse será o melhor resultado da história, motivado pelo aumento da renda familiar e a estabilidade da economia, que são os grandes responsáveis pelo otimismo do mercado.

Na análise por setor, o comércio deve responder por 70% das vagas criadas no mercado de trabalho, sendo o restante responsabilidade da indústria.