Tensão

Ricaços de Hong Kong perdem US$ 19 bilhões com protestos

Há nove semanas o centro financeiro sofre protestos

(Bloomberg) — Os mais ricos de Hong Kong já sentem o impacto de nove semanas de protestos no centro financeiro, com reflexos sobre o crescimento e preços das ações locais.

O patrimônio líquido dos 10 magnatas mais ricos cujas fortunas são geradas em empresas negociadas na Bolsa de Hong Kong encolheu US$ 19 bilhões desde 23 de julho, segundo o Índice de Bilionários Bloomberg.

O dia 23 de julho foi o último de ganhos no mercado de ações da cidade antes da queda por nove sessões seguidas, marcando a maior série de perdas desde a transferência da ex-colônia britânica para a China em 1997. A fortuna de Li Ka-shing, o homem mais rico de Hong Kong, diminuiu cerca de 9%, ou US$ 2,7 bilhões.

Embora as perdas reflitam em parte a guerra comercial EUA-China, também destacam a crescente preocupação de que a crise política de Hong Kong arranhe a imagem da cidade como um dos principais centros financeiros e comerciais do mundo. Os protestos já afetaram o turismo e as vendas no varejo, o que levou o secretário financeiro de Hong Kong, Paul Chan, a dizer na segunda-feira que o território corre risco de entrar em recessão.

“A situação entrou em território desconhecido, então até mesmo investidores estão esperando para ver”, disse Shaun Tan, analista da UOB Kay Hian. “Ainda é muito difícil ver onde isso vai chegar”

O destino dos bilionários de Hong Kong pode depender da trajetória dos preços dos imóveis na cidade, cujas propriedades são as menos acessíveis do mundo. Até agora, o mercado se mostrou resistente, mas a Bloomberg Intelligence alertou que a demanda por imóveis – uma fonte importante de riqueza para muitos magnatas em Hong Kong – pode diminuir se os confrontos continuarem.

Invista melhor o seu dinheiro e proteja-se. Abra uma conta gratuita na XP.