Resultados x pessoas: perigo de RH é focar somente nos números

De acordo com consultora, grande risco é que profissional atenda empresa e deixe de lado o que colaboradores precisam

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Intermediários nas relações trabalhistas dentro das empresas, os profissionais de RH (Recursos Humanos) correm um risco: focar apenas em medidas para os acionistas. “O grande perigo é que eles fiquem mais preocupados em atender a empresa do que em olhar para o que os colaboradores precisam”, afirmou a sócia-diretora da F&M Consultores, Fátima Motta.

O equívoco pode ocorrer quando há falta de visão da área de RH e ela fica tendenciosa aos números. “São os valores que sustentam os resultados, e os dos profissionais precisam estar alinhados aos da empresa. O RH precisa ser estratégico, mas não pode focar só em resultados quantitativos”.

Conseqüência

As conseqüências deste tipo de atitude são a perda de talentos e desmotivação dos funcionários, porque eles não se sentem valorizados. A partir do momento em que as necessidades deles não são atendidas, também há falta de empenho, o que compromete a busca pelos resultados.

Aprenda a investir na bolsa

Por esse motivo, fortalecer o time da empresa é fundamental. Os gestores, por exemplo, podem ser os primeiros a não vivenciarem os valores da companhia, por serem pressionados pela demonstração de resultados. “Às vezes, é por falta de preparo mesmo, por não saberem que devem gerir a equipe”.

Neste caso, o profissional de RH pode ajudá-los a se voltarem para as pessoas e não somente para os números.

Histórico

Quando surgiu nas empresas, a profissão de recursos humanos começou com a administração de pessoal. Sua função básica era a contratação de funcionários e a administração da folha de pagamento. Porém, aos poucos, cresceu e se tornou estratégica, voltando-se aos objetivos da empresa.

“O setor de RH pecou muito por não ver, durante um bom tempo, a importância da estratégia”, afirmou Fátima.

De acordo com ela, a visão do profissional de RH deve ser sistêmica e macro dos negócios. O perigo é ter um foco fragmentado. “Hoje, o recurso humano é fundamental e ser gestor nessa área é ter responsabilidade com relação à empresa e às pessoas. Se ele tem noção de seu papel, consegue que os resultados sejam alcançados com comprometimento e pessoas satisfeitas”.