Rendimento médio real dos ocupados na RMSP diminuiu 1,5% em março

Salário médio em março equivale a R$ 943; rendimento médio dos assalariados manteve-se quase estável, com leve alta de 0,2%

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), junto com a Fundação Seade, divulgou nesta quinta-feira, dia 20 de maio, sua Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP).

Além de revelar a taxa de desemprego na RMSP, o estudo leva em consideração ainda a variação do rendimento médio real dos trabalhadores ocupados, entre eles os assalariados do setor privado e os trabalhadores autônomos. O levantamento leva em consideração o período de março de 2004.

Rendimento médio real diminuiu 1,5% no terceiro mês

De acordo com o estudo, o rendimento médio real do total de trabalhadores ocupados diminuiu pelo terceiro mês consecutivo, registrando queda de 1,5% no mês de março, passando a equivaler R$ 943.

Aprenda a investir na bolsa

Já o rendimento médio dos assalariados passou para R$ 1.014, mantendo-se praticamente estável (+0,2%) frente ao mês anterior. Comparados a março de anos anteriores, esses valores são maiores apenas que os de 2003, quando equivaliam a R$ 907 e R$ 977, respectivamente.

Queda no setor privado

No setor privado, o rendimento médio dos assalariados diminuiu 1,2%, como resultado do comportamento negativo dos rendimentos recebidos na Indústria (-1,5%) e nos Serviços (-1,5%), enquanto no Comércio houve pequena oscilação positiva (+0,5%). Já nos últimos doze meses, houve aumento do rendimento médio no setor privado (+2,8%), com elevações no Comércio (+8,0%), na Indústria (+2,7%) e nos Serviços (+1,0%).

Entre os trabalhadores assalariados com e sem carteira assinada do setor privado, o rendimento médio decresceu 0,6% e 3,2%, respectivamente, frente a fevereiro, passando a equivaler R$ 1.034 e R$ 673 no terceiro mês deste ano. Já entre os trabalhadores autônomos, o rendimento médio apresentou pequena variação negativa (-0,5%), tornando-se equivalente a R$ 646.

Em relação a março de 2003, houve aumento de 3,9% no rendimento médio dos assalariados com carteira assinada e decréscimo de 2,0% no dos sem carteira assinada. Vale destacar que o rendimento médio dos trabalhadores autônomos permaneceu praticamente estável nesse período, registrando variação positiva de 0,3%.

Massa de rendimentos diminui 2,5% em março

Pelo terceiro mês consecutivo, a massa de rendimentos dos ocupados diminuiu 2,5% em março, devido ao desempenho negativo do nível de ocupação e do rendimento médio. A massa de salários praticamente não se alterou (0,1%), refletindo a pequena variação positiva do salário médio e a pequena oscilação negativa do nível de emprego.
Na comparação com março de 2003, as massas de rendimentos dos ocupados e a dos assalariados expandiram-se em 5,1% e 3,0%, respectivamente, devido, principalmente, ao aumento do rendimento médio, uma vez que o nível de ocupação registrou crescimento menor entre os ocupados e diminuiu entre os assalariados.