RADAR INFOMONEY Ações da WEG disparam 137% no ano e Bolsa segue de olho em impasse do pacote de estímulo nos EUA

Ações da WEG disparam 137% no ano e Bolsa segue de olho em impasse do pacote de estímulo nos EUA

Rendimento dos paulistas recua em janeiro, revela Seade/Dieese

Trabalhadores do comércio (-11,2%) e informais do setor privado (-10%) tiveram perdas maiores em um ano

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os trabalhadores paulistas ocupados começaram 2005 recebendo salários mais baixos, tanto na comparação com dezembro (-1,6%), como na relação com janeiro do ano passado (-4,9%), de forma que o rendimento médio em janeiro ficou em R$ 1.058.

Os dados fazem parte da PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de São Paulo), divulgada nesta terça-feira (22) pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos), em parceria com a Fundação Seade.

Vale lembrar que os salários analisados se referem a janeiro, mas foram pagos em fevereiro.

Informais tiveram maior perda em um ano

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com a pesquisa, a diminuição nos rendimentos dos trabalhadores foi maior entre os assalariados do setor privado que trabalham com carteira de trabalho assinada (-1,5%), cujos ganhos mensais ficaram em R$ 1.108. Sobre janeiro do ano passado, a queda é ainda maior, de 3,2%.

Na mesma direção, os trabalhadores sem registro na carteira profissional tiveram redução de 0,5% em seus rendimentos em relação a dezembro, recebendo, em média, R$ 658 como salário em janeiro. Na comparação com o mesmo mês em 2004, a queda é bastante significativa, de 10%.

Finalmente, a trajetória decrescente na análise mensal se repetiu entre os profissionais autônomos, que perderam rendimentos na comparação sobre dezembro (-0,5%). No entanto, em um ano, houve alta de 4,1% em sua renda média. No primeiro mês do ano, o salário médio da categoria ficou em R$ 733.

Indústria é único destaque positivo

Ao se considerar os setores da economia, houve diminuição no rendimento médio real dos trabalhadores do Comércio (-2,5%) e Serviços (-3,9%) de dezembro para janeiro último.

Os ganhos no mês passado para os trabalhadores destes setores foram de R$ 750 e R$ 997, respectivamente. No confronto entre os meses de janeiro de 2004 e 2005, as quedas foram mais intensas: 11,2% no Comércio; e 5,6% em Serviços.

Por último, a Indústria foi o único setor a comemorar resultado positivo na pesquisa. Com rendimento médio de R$ 1.173 em janeiro, os trabalhadores do setor tiveram ganhos de 3,4% sobre dezembro e de 1,1% em 12 meses.

Cai diferença salarial entre os sexos

PUBLICIDADE

O recuo no rendimento do trabalhador na passagem de dezembro para janeiro foi sentido tanto pelos homens (-2%), como pelas mulheres (-0,9%), cujas rendas ficaram em R$ 1.181 e R$ 796. Da mesma forma, em relação a janeiro de 2004, tanto homens (-5,9%) como mulheres (-2,3%) amargaram redução da renda.

Como as reduções entre os homens foram mais significativas, caiu a diferença salarial entre os sexos, com a mulher passando a ganhar o equivalente a 67,5% do rendimento de seus colegas, proporção que era de 66,8% na pesquisa anterior.