Renda média do trabalhador cai em 2003 e desigualdade diminui, segundo PNAD 2003

Rendimento caiu de R$ 852 para R$ 692 entre 1993 e 2003; concentração de rendimentos atinge menor índice

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O rendimento médio do trabalhador vem caindo nos últimos anos, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada neste dia 29 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Naquele ano a renda média dos ocupados com rendimento do trabalho era de R$ 852, e chegou a R$ 692 (-18,8%). Em relação à 2002, a queda verificada é de 7,4%, o maior recuo anual desde 1997.

Em sete anos, o rendimento médio recuou tanto para os trabalhadores domésticos (-5,4%), como para os por contra própria (-6,6%), empregados e empregadores (-7,5 para ambos). A perda real do salário para os 50% com os menores rendimentos foi de 4,2% no período. Para os outros 50% com os maiores rendimentos, a perda real foi de 8,1%.

Entendendo o Índice de Gini

A pesquisa revelou ainda o índice de concentração dos rendimentos médios do trabalho assalariado, conhecido como Índice de Gini. Para quem não sabe, o índice em questão pode variar de 0 a 1, sendo que, quanto mais próximo de zero, mais justa e igualitária é a distribuição dos rendimentos pelas pessoas ocupadas.

Desigualdade diminui

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com a PNAD 2003, em 1993, o índice foi igual a 0,600, sendo que naquela ocasião os 10% (7,9 milhões) de trabalhadores ocupados com os melhores salários recebiam 49% de toda a massa salarial. Por sua vez, os outros 10% (7,9 milhões) de trabalhadores com menores salários recebiam somente 0,7% da massa salarial.

Com a redução do Índice de Gini para 0,555 em 2003, estes percentuais passaram a valer 45,3% e 1%, respectivamente, denotando, portanto, uma tendência à redução da desigualdade, embora ela ainda seja bastante elevada no país.

A maioria dos ocupados ainda recebe salários muito baixos. Em 2003, 27,8% deste contingente recebiam até um salário mínimo, enquanto 1,3% tinha uma remuneração maior do que 20 salários mínimos.

Guerra dos sexos

Outro dado interessante da pesquisa diz respeito à diferença de rendimento entre homens e mulheres. Enquanto em 1993 as mulheres eram remuneradas com base em 59% da renda dos homens, este percentual subiu para 69,65 em 2003. No ano passado a renda média dos homens era de R$ 786 e das mulheres R$ 547.

Renda média por domicilio

Ainda de acordo com o estudo, a renda média de todas as fontes de rendimento dos moradores de um domicílio caiu 8% de 2002 para 2003. Em 12,9% dos domicílios a renda chegava a, no máximo, o valor de um salário mínimo. Apenas em 3,9% deles os ganhos superavam 20 mínimos.