RADAR INFOMONEY Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Renda média do paulistano cai 1,3% em abril, segundo Seade/Dieese

O rendimento médio real atingiu R$ 1.039. Em relação aos valores obtidos de abril do ano passado, houve recuo de 1,7%

SÃO PAULO – O rendimento médio real da população ocupada na Região Metropolitana de São Paulo em abril caiu 1,3% frente a março (R$ 1.053), ficando em R$ 1.039. Se comparada à renda de abril do ano passado, houve recuo de 1,7%.

Os dados fazem parte da PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego) divulgada nesta quarta-feira (28) pela Fundação Seade e pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos).

Vale lembrar que os rendimentos analisados foram pagos em maio, mas se referem à remuneração do mês anterior.

Setor privado

PUBLICIDADE

Houve uma variação negativa de 2,3% no setor privado em abril, na comparação com o mês anterior. O valor médio dos rendimentos passou de R$ 1.058 para R$ 1.034 de um mês para o outro. Na comparação com abril de 2005 (R$ 1.074), houve queda de 3,8%.

O comportamento observado no mês, frente a março, decorre principalmente da queda verificada no Comércio (-2,6%) e nos Serviços (-2,3%), e na estabilidade na Indústria. Os salários pagos aos profissionais destes setores, ficaram em R$ 1.140 para a Indústria, R$ 1.045 para os Serviços e R$ 838 para o Comércio.

Em relação a abril de 2005, o salário médio pago pelas Indústrias foi o que mais caiu, 7,2%. Já os segmentos de Serviços e Comércio viram seus rendimentos médios retraírem 3,0% e 1,2%, respectivamente.

Formais, informais e autônomos

A pesquisa mostra também que houve uma queda de 6,1% nos ganhos dos trabalhadores do setor privado que não possuem carteira assinada, na comparação a março. A média caiu para R$ 658 no quarto mês do ano. Na comparação com o mesmo mês de 2005, o recuo foi ainda maior, de 17,8%.

Já os trabalhadores com carteira assinada do setor privado viram seus rendimentos médios caírem 1,4% em abril, tanto em relação a março quanto frente a abril de 2005, atingindo R$ 1.150.

A média de rendimento dos autônomos, por sua vez, apresentou um pequeno aumento em abril, de 0,3%, na comparação a março. Entretanto, frente ao mesmo mês do ano passado, houve recuo de 4,8%.

Homens x mulheres

A remuneração média das mulheres e dos homens em abril foi 0,4% e 1,7% menor que a de março, ficando em R$ 836 e R$ 1.213, respectivamente. Na comparação com abril de 2005, o rendimento feminino cresceu 6,0% e o masculino registrou recuo de 5,1%.

Com isso, a pesquisa conclui que as mulheres receberam, em março, 68,9% do rendimento dos homens, percentual um pouco acima da proporção verificada em março, que era de 68,0%.