Renda do trabalhador se recupera em janeiro e sobe 2,2%, segundo IBGE

Variação é a mesma tanto na comparação com dezembro como sobre janeiro de 2004; salário médio real ficou em quase R$ 920

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O rendimento médio do trabalhador brasileiro voltou a subir no primeiro mês do ano atingindo R$ 919,80 um aumento de 2,2% frente aos R$ 900,39 verificados em dezembro último. O crescimento de janeiro supera o de dezembro, já que nos último mês do ano passado a renda média avançou 1,88%.

Na comparação com janeiro do ano passado, a expansão também foi de 2,2% já que naquele mês a renda média do trabalhador se encontrava no mesmo patamar de dezembro: R$ 900.

Os dados foram coletados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) junto às seis principais regiões metropolitanas do País, e divulgados nesta sexta-feira, dia 25.

Maior salário está em SP

Aprenda a investir na bolsa

No confronto entre os meses de janeiro de 2004 e 2005, o crescimento da renda do trabalhador foi notado em regiões como Belo Horizonte (2,4%), Rio de Janeiro (8,6%) e São Paulo (1,8%), onde se encontra maior salário, de R$ 1.053,70.

Apesar do aumento mais expressivo, no Rio a renda segue como a terceira maior do País: R$ 891,40.

Em sentido contrário, no mesmo período, os salários recuaram em Recife (-0,6%), Salvador (-2,6%) e Porto Alegre (-4,7%). Mesmo protagonizando a maior queda, Porto Alegre detém o segundo melhor salário médio pago aos trabalhadores, de R$ 896,30.

Trabalhadores sem carteira tiveram evolução maior

Dentre as três categorias de posição na ocupação, o destaque ficou com os trabalhadores do setor privado sem carteira assinada, cujo rendimento real cresceu 9,6%, passando de R$ 568,16 no primeiro mês de 2004 para R$ 622,90 em janeiro último. Isso não impediu, porém, que a remuneração média seguisse como a mais baixa entre as categorias consideradas.

Já o rendimento médio dos trabalhadores por conta própria mostrou queda real de 1,1% na comparação anual, recuando de R$ 726,83 em 2004 para R$ 719,10 em janeiro de 2005. Por fim, os trabalhadores do setor privado com carteira assinada começaram o ano com rendimento médio de R$ 931,20, 1,3% menor que o salário médio de R$ 943,69 registrado em janeiro do ano passado.

Na relação com dezembro, todas as categorias registraram ganhos salariais, com destaque a de empregados sem carteira assinada (7,5%) e para os trabalhadores por conta própria (3%), enquanto os trabalhadores do setor privado com carteira assinada praticamente mantiveram a renda do mês anterior (0,6%).

PUBLICIDADE