Renda do trabalhador japonês caiu 0,7% em 2004

Relatório preliminar do Ministério do Trabalho aponta ligeiro aumento de 0,4% no total de postos de trabalho, depois de sete anos consecutivos de queda

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ministério do Trabalho japonês anunciou na última quarta-feira, dia 3, relatório preliminar sobre o desempenho do mercado de trabalho em 2004. O relatório não apontou mudanças significativas no número de trabalhadores, ou na remuneração recebida.

Segundo o relatório, o total de trabalhadores que são regularmente remunerados ficou praticamente estável em 42,83 milhões no ano passado. Ainda que modesta, a expansão de apenas 0,4% no confronto com o resultado de 2003 foi a primeira em sete anos, segundo informou o ministério.

Renda caiu 0,7%

Por outro lado, o rendimento dos trabalhadores japoneses caiu em 2004. A remuneração média paga ao trabalhador japonês, o que inclui, além do salário, hora-extra, teria caído 0,7% na comparação com 2003.

Aprenda a investir na bolsa

Em média, portanto, os trabalhadores receberam cerca de 332,5 mil ienes por mês. O ministério atribuiu a queda na remuneração ao aumento do número de pessoas que não trabalham em tempo integral.

Total de empregos integrais caiu 1,1%

Dentre os trabalhadores que trabalham há mais de um mês, e que formam o grupo dos que recebem rendimentos regulares, o número de trabalhadores por tempo integral caiu pelo sétimo ano consecutivo.

Em 2004, o total de trabalhadores integrais baixou para 32 milhões, recuo de 1,1% frente ao registrado em 2003. No mesmo período, o número de trabalhadores em tempo parcial cresceu 5,5% para 18,1 milhões.

O Ministério do Trabalho acredita que a pequena expansão no total de trabalhadores regulares, depois de sete anos de queda, indica que as empresas japonesas estariam se esforçando em reter a mão de obra para se preparar para a retomada do crescimento da economia japonesa.

Nos últimos anos, essas empresas teriam preferido cortar postos de trabalho e investir em mão de obra mais barata, como aos trabalhadores por tempo parcial.