Remuneração variável como estratégia para reter funcionários

Sistema de remuneração que reflete metas motiva funcionários, sendo positivo para profissionais e para empresas

SÃO PAULO – Com baixos índices de desemprego no País e com os trabalhadores mais confiantes no mercado de trabalho, aumenta cada vez mais a preocupação das empresas em reter profissionais, sobretudo os melhores.

Nesse contexto, a remuneração variável aparece como uma alternativa, já que incentiva a permanência dos profissionais dentro das empresas e só é paga caso o próprio funcionário alcance as metas estipuladas.

Segundo o especialista em Recursos Humanos José Carlos Bastos, o ponto positivo da remuneração variável é que, além de motivar o profissional, pois caso alcance as metas, ganhará mais, também é bom para o empregador, pois só vai precisar desembolsar esses pagamentos se realmente tiver obtido o resultado que esperava.

PUBLICIDADE

Equilíbrio
Bastos ainda lembra que a remuneração variável é associada ao sistema de metas, que motiva algumas críticas, já que esse mecanismo pode levar o trabalhador à exaustão e ao estresse excessivo. No entanto, se for um sistema condizente com a realidade da empresa pode ser mais positivo do que negativo, motivando a equipe e otimizando os resultados da empresa.

Bastos sugere que é preciso que o sistema tenha equilíbrio, ressaltando ser necessário que a empresa deixe claro o vínculo entre a entrega do profissional e a remuneração que ele irá receber. “A percepção de justiça é fundamental”, afirma, lembrando ainda que levar o funcionário ao limite não é produtivo. “Levar o empregado ao seu limite psicológico e físico é contraproducente e acarreta em resultados negativos”, avalia.

Contornando os problemas
O sistema de metas pode comprometer o clima organizacional das empresas. Isso acontece como reflexo da competição entre os próprios funcionários ou entre as áreas. Para enfrentar esse tipo de problema o consultor orienta que as empresas adotem um sistema misto de bonificação, ou seja, pagar parte da bonificação para o funcionário individualmente e outra parte para o grupo todo. “Além disso, é preciso garantir que todos tenham condições de atingir o resultado projetado e que o bom desempenho de um não prejudicará os demais”, alerta Bastos.

Adotar incentivos de longo prazo também faz parte das recomendações do consultor. Essa estratégia é eficiente no sentido de manter os funcionários por um período de tempo mais significativo. Nesse sentido, a empresa pode vincular o recebimento de determinada remuneração aos resultados futuros da empresa, evitando assim o foco apenas no curto prazo.

Geração Y
A remuneração variável também supre alguns dos anseios dos mais jovens, sobretudo dos profissionais da chamada Geração Y. Os jovens parecem se adaptar bem a esse sistema, justamente por ele ir de encontro a uma de suas características mais conhecidas: a busca pela diferenciação.

Como ser reconhecido pelas suas contribuições é algo que chama atenção dos mais jovens, a remuneração variável aparece como solução ideal para essa geração. Os profissionais, no entanto, devem ter cuidado ao administrar suas finanças, entendendo que remuneração variável não faz parte do salário.

PUBLICIDADE

O consultor alerta que é errado contar com as gratificações como certas, pensando nelas como recursos para gastos extras como viagens de fim de ano, compras de Natal, novos automóveis e assim por diante. É importante, portanto, ter atenção para não fazer dívidas, pois esse bônus pode não acontecer no final do ano, já que tudo está atrelado ao desempenho individual e da empresa.

Economia aquecida
O consultor ainda alerta que as empresas devem ficar atentas e ter cautela em momento de economia aquecida. É errado incorporar os ganhos reais ao salário-base, já que isso gera riscos impostos pela legislação brasileira. Em momentos de aquecimento da economia, as empresas aumentam os salários dos funcionários, incorporando os bons resultados. No entanto, é contra a lei retornar os salários a patamares anteriores, ou seja, mais baixos, o que pode comprometer os negócios da empresa.