Região Metropolitana de SP é a menos beneficiada pelo reajuste do salário mínimo

Já trabalhadores da Região Metropolitana de Recife sentem mais os impactos do aumento, mostra relatório do BC

SÃO PAULO – A Região Metropolitana de São Paulo é a que menos sente os impactos do reajuste do salário mínimo. Por outro lado, o reajuste é mais importante em todas as faixas de rendimento da Região Metropolitana de Recife.

Enquanto o impacto do reajuste do salário mínimo sobre a massa de rendimentos do trabalho para a faixa de rendimento de exatamente um salário mínimo na Região Metropolitana de Recife é de 1,6 ponto percentual, na de São Paulo é de apenas 0,01 p.p.. Os dados são do Boletim Regional do Banco Central, divulgada nesta terça-feira (22).

O levantamento considera um aumento de 13,75% no mínimo para 2012 e se considera informações da pesquisa Mensal do Emprego e da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), ambas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

PUBLICIDADE

Regiões
O Norte e o Nordeste são as regiões mais beneficiadas pelo reajuste, perdendo para o Centro-Oeste apenas na faixa de renda de dois salários mínimos. Veja na tabela à seguir:

Salário

Norte (ponto percentual)

Nordeste (p.p.)Sudeste (p.p.)Sul (p.p.)Centro-Oeste (p.p.)
Exatamente um salário mínimo1,11,60,50,40,7
Exatamente dois salários mínimos0,10,10,10,10,1
Até um salário mínimo2,23,40,90,81,1
Até um salário mínimo e meio3,95,12,32,22,4
Até dois salários mínimos5,76,543,93,8

Depois da Região Metropolitana de Recife, a de Salvador é a segunda a sentir mais os impactos positivos do reajuste do salário mínimo. Entre aqueles que ganham um salário mínimo, o impacto é de 0,9 ponto percentual sobre a massa de rendimentos do trabalho.

O mesmo cenário é encontrado nos impactos sobre a população ocupada. As regiões Norte e Nordeste são novamente as mais beneficiadas pelo reajuste.

São Paulo
Na Região Metropolitana de São Paulo, os impactos nem sequer são sentidos por aqueles que recebem dois salários mínimos. Nas outras faixas, o impacto aumenta à media em que cresce o rendimento, sendo de 0,3 ponto percentual nas faixas de rendimento de até um salário mínimo, de 1,9 p.p. até um salário mínimo e meio e de 3,2 p.p. até dois salários mínimos.