Carreira

Reforma trabalhista pode criar mais oportunidades para planejadores financeiros

Empreender tem sido uma alternativa recorrente e no mercado financeiro não é diferente

SÃO PAULO –  Diante do cenário da Reforma Trabalhista, muitos profissionais estão se tornando autônomos – e no mercado financeiro não é diferente. A carreira de planejador financeiro pessoal está em crescimento. Um dos exemplos, é a Academia de Planejamento Financeiro da GFAI, que já conta com mais de 100 profissionais da área formados ou em formação.

Ao todo, 22 milhões de brasileiros trabalham por conta própria em pequenos empreendimentos familiares e prestação de serviços quase sempre como autônomos, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, divulgada em setembro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Academia é a primeira formação empreendedora para planejadores financeiros independentes no país – um setor já consolidado em outros países, que vem ganhando cada vez mais força no Brasil. De acordo com a Planejar, Associação Brasileira de Planejadores Financeiros, existem cerca de 170 mil planejadores financeiros certificados em todo o mundo.

PUBLICIDADE

Janser Rojo, diretor da GFAI, acredita que no futuro as pessoas irão se preocupar com a saúde financeira tanto quanto se preocupam com a física.

“Há dez anos, falar em personal trainer, por exemplo, não fazia sentido porque era caro e poucas pessoas tinham acesso. Entendíamos que não era necessário, uma vez que fazer atividade física no parque, por exemplo, é de graça. Hoje, o brasileiro já entende que esse profissional é acessível e prepara um treino personalizado, potencializa os resultados e trabalha dentro das necessidades individuais. Um dia será assim com o planejador financeiro. Faz toda diferença pois cada pessoa tem um perfil, necessidades, sonhos e avalia riscos de forma diferente”, argumenta.

O trabalho do planejador financeiro busca entendimento integral das finanças. O profissional faz uma espécie de diagnóstico do cliente, aponta erros e indica alternativas para administrar melhor as finanças, como fazer uma poupança ou potencializar a reserva financeira em aplicações, alcançar um objetivo específico em termos de patrimônio, diminuir dívidas, etc.

Segundo a Planejar, o número de planejadores financeiros certificados vem aumentando no Brasil. O país ocupa a 10ª posição no ranking da Financial Planning Standards Board (FPSB) com cerca de 3 mil certificados CFP®.

Mas Janser alerta que o profissional precisa começar para ter experiência e conseguir a certificação. “O profissional deve comprovar, no mínimo, 3 anos de experiência profissional no relacionamento direto com clientes pessoas físicas. A formação ajuda o profissional a começar a atuar e adquirir a experiência necessária para conseguir a certificação”, conclui o diretor.