Quer turbinar sua carreira? Confira 8 dicas alimentares e melhore seu desempenho

Saiba quais são os alimentos mais indicados para quem deseja ser mais ágil e criativo e aumentar a produtividade no trabalho

SÃO PAULO – Há quem duvide, mas uma má alimentação pode ser a causa de muitos problemas pessoais e também profissionais, afinal, o organismo dá provas suficientes de que costuma ser um reflexo daquilo que o homem come. Portanto, se você é daqueles que costumam sentir mau humor no trabalho com uma certa frequência, é bom ficar atento! Talvez seu problema esteja justamente na alimentação.

De acordo com a nutricionista, farmacêutica e bioquímica Andrea Veronezzi, hábitos alimentares inapropriados podem afetar não só a saúde de um profissional, mas também comprometer o desempenho  no trabalho.

“Um indivíduo mal alimentado tem o raciocínio mais lento, sente desânimo, mau humor, sono e cansaço. Além disso, com o passar do tempo, ele pode apresentar problemas físicos, como diabetes, hipertensão, enxaquecas, entre outros, o que certamente reduzirá sua produtividade”, explica.

PUBLICIDADE

Motivos
Mas você sabe por que isso costuma ocorrer? Por uma dieta desequilibrada, causada por hábitos alimentares não tão corretos assim.

“O corpo precisa de equilíbrio e isso só pode ser alcançado com a ingestão de diversos grupos alimentares, ou seja, de vitaminas, minerais, proteínas, carboidratos e gorduras”, esclarece Andrea.

Segundo a nutricionista, cada grupo de alimentos costuma ter um papel diferente no organismo, sendo cada um responsável por uma função vital do corpo.

“O ovo [gema] é uma fonte de colina, responsável pela formação de membranas celulares e que também atua como fonte de energia para o cérebro. Já os vegetais e as frutas são alimentos antioxidantes”, explica.

A profissional cita como exemplos as frutas vermelhas ricas em flavonóides, que ajudam a previnir o envelhecimento das células.

Desempenho em alta
Por isso, não adianta fugir: quem quiser se ver longe de problemas no trabalho pode fazer isso apenas apostando em uma alimentação mais saudável.

PUBLICIDADE

“As pessoas perceberam que uma alimentação saudável está relacionada com qualidade de vida, prevenção de doenças e, principalmente, longevidade”, relata Andrea, que ajudou o Portal InfoMoney a preparar uma lista com os principais alimentos que podem ajudar a melhorar o desempenho profissional.

Se você deseja…

Estimular a memória e ser mais criativo: prefira alimentos como as carnes magras (principalmente peixes), oleaginosas, ovos, vegetais e frutas, afinal, estes são os alimentos mais aconselháveis para quem precisa de uma forcinha extra nesta área. “O peixe possui um ácido-graxo chamado ômega 3, que auxilia na oxigenação das células e também apresenta fósforo em sua composição – mineral que se destaca como uma importante fonte de energia”, explica Andrea. Exercitar-se também pode ser uma boa pedida, já que os exercícios estimulam o cérebro e preservam a memória.

Ser mais ágil nas tarefas: dê preferência aos carboidratos em geral, como as barrinhas de cereais, pães, torradas, bolachas, massas, arroz e batatas. E lembre-se de que os alimentos integrais costumam ser os mais indicados, já que contêm fibras e vitaminas do complexo B. Quem não gostar muito das opções mencionados anteriormente pode apostar na soja, no tofu, no leite (e proteínas) de soja, nas nozes e amêndoas.

 “Absorvido lentamente pelo organismo, o carboidrato costuma ser uma importante fonte de combustível. Já a soja e os derivados se mostram importantes alimentos para a função motora, justamente por possuírem um aminoácido chamado tirosina”, diz Andrea.

Melhorar o humor: leite e derivados, assim como grão de bico, ervilha, feijões, banana, abacate, aveia, frutas oleaginosas, semente de gergelim e girassol são ideais para quem tem problemas de humor. Isso porque, segundo conta a nutricionista, estes alimentos contêm triptofano, ácido fólico, vitamina B6 e tirosina, que regulam os neurotransmissores (serotonina, dopamina e noradrenalina), responsáveis pelo humor.

Enxergar melhor: para quem passa muito tempo na frente do computador e precisa de um estímulo extra para a visão, os alimentos com pigmentação laranja, vermelha e amarelada podem ser uma boa opção alimentar. São exemplos as frutas como a laranja, o mamão, a cenoura, o caqui e a abóbora, que contêm vitamina A. “Tal vitamina é uma das principais protetoras da função ocular. Além disso, alguns alimentos ainda contêm luteína, que se trata de excelente antioxidante para a saúde dos olhos”, conta Andrea.

Ter mais força física: neste caso, os cereais integrais, frutas, vegetais e carnes são a melhor opção, já que são fontes de carboidratos, vitaminas e minerais responsáveis pela liberação de energia e ainda apresentam uma proteína responsável pela recuperação e construção muscular.

Reduzir o estresse: se o ambiente de trabalho for muito estressante, uva, brócolis, repolho, couve, cereais integrais e até mesmo a linhaça podem ajudar. A melancia, o tomate, a goiaba, o mamão e peixes também podem ser uma boa pedida, por apresentarem substâncias focadas no combate aos radicais livres, como os fitonutrientes, vitaminas, minerais e ácidos graxos – que, em outras palavras, reduzem o estresse.

Combater o sono: busque substâncias estimulantes que acelerem o sistema nervoso central e melhorem o estado de alerta. “Se optar por alguma que contenha cafeína (chá verde, chá preto, chá mate e o café), use-a com moderação e nunca após as refeições principais, pois elas reduzem a absorção de alguns nutrientes”, explica Andrea.

Contudo, se sua preferência for por temperos e especiarias, a canela, o gengibre, a noz-moscada e a pimenta podem ajudá-lo a se manter mais alerta no trabalho.

Combater a preguiça após o almoço: fuja da gordura! Essa é a melhor dica para não deseja sentir aquele desânimo após o almoço. Uma outra recomendação é evitar, de forma geral, os alimentos de lenta digestão. “O açúcar refinado, por exemplo, fornece uma carga rápida de energia, mas a sensação de moleza vem logo a seguir”, orienta a nutricionista, que reforça a importância de se comer pouco.

“Comer muito de uma só vez mobiliza muito esforço do corpo para a digestão e, com isso, não sobra ‘gás’ para mais nada”, argumenta.