Quer que o chefe preste atenção em você? Confira 10 dicas que podem ajudar

Fazer com que o líder escute uma reivindicação ou uma sugestão pode ser uma tarefa bem árdua para os profissionais

SÃO PAULO – Muitos profissionais encontram dificuldade em se relacionar com o chefe. Para alguns, o relacionamento com o gestor é uma via de mão única, ou seja, somente o líder se expressa e, claro, tem seus pedidos atendidos.

Quem trabalha dessa maneira dificilmente encontra espaço para que o chefe escute alguma solicitação. Se você passa por esta situação, não se desespere, é possível reverter este quadro.

10 passos
Para ajudar neste processo, o especialista em carreiras e sócio-diretor da Alliance Coaching, Pablo Aversa, apontou dez pontos importantes que devem ser considerados. Confira abaixo:

PUBLICIDADE

Tema tem de fazer sentido: geralmente, Aversa explica que os profissionais acreditam que tudo gira ao redor deles. Mas não é bem assim que o barco toca. Quando quiser que alguma ideia seja ouvida, é importante avaliar se o assunto interessa ao ouvinte. “Suas ideias e feedbacks podem ser sensacionais, mas, se não forem uma prioridade para a “autoridade” envolvida, não serão escutadas – e muito menos executadas”. Ele acrescenta que o profissional precisa entender que gestores têm uma longa lista de prioridades e outra maior ainda de responsabilidades.

Não enrole: a maioria dos gerentes e executivos de nível sênior não está interessada em nuances. Portanto, seja direto. Entre, diga o que pensa, o que deveriam fazer de forma diferente (ou melhor), responda a qualquer dúvida levantada e saia.

Considere o timing: os profissionais geralmente agem como se tudo fosse um caso de vida ou morte. Muitas vezes, as empresas têm questões importantes em andamento, como assuntos financeiros, fusão ou aquisição, lançamento estratégico de um novo produto ou serviço, entre outras. Seu chefe pode estar ocupado e não deve ser incomodado. Se você achar que essa é a situação, aborde-o em outro momento.

Fique longe da politicagem: é uma desagradável realidade que a maioria dos executivos não admite para seus funcionários e alguns, nem para si mesmos. O que quer que você faça, não procure culpados. “Ao discutir um problema, tente dar o melhor de si, mas não provoque incêndios na casa dos outros. Desse modo, você vai emergir como um melhor profissional”, diz o especialista em carreiras.

Controle suas emoções: pode parecer estranho, mas no mercado de trabalho existem profissionais bem mais intimidadores e difíceis de lidar do que seus chefes. Se você deseja que prestem atenção em você, não se irrite, não carregue nas emoções, não seja desagradável e muito menos inflexível. Só porque ele é o chefe não quer dizer que tenha uma paciência sem fim. Por isso, organize seus pensamentos, tente relaxar e seja você mesmo. E, a propósito, expressar senso de humor e humildade não faz mal a ninguém.

Não perca o seu tempo com um chefe incompetente: muitas vezes, os chefes simplesmente não são competentes o suficiente para compreender o quão importante é dedicar tempo para escutar o ponto de vista de um funcionário e compartilhar a visão dele com seus subordinados. Conceitos tais como comunicação, engajamento e motivação não têm apelo em pessoas com este perfil.

PUBLICIDADE

Pense grande: o que pode parecer óbvio ou importante para você pode não ser uma boa ideia para os gestores. Assim, seja direto e talvez obtenha uma resposta sem rodeios. É totalmente possível que suas ideias ou preocupações sejam ingênuas ou sem sentido. Se esse for o caso, seu chefe pode achar que é mais fácil e simples sair pela tangente polidamente, dizendo “o.k., excelente… obrigado pela dedicação” e aguardar que você saia.

Assegure-se de que está falando com a pessoa certa: muitas vezes, os funcionários reclamam para a pessoa errada. Antes de despejar sobre seu chefe ou sobre outro gerente, só porque há uma palavra-chave no título do cargo, se assegure de que podem fazer algo sobre o que incomoda você. E lembre-se: a maior parte das descrições de cargos gerenciais não inclui “ouvir o João”. Logo, não aja como se fosse um direito natural seu ou pode acabar piorando as coisas para você mesmo.

Se todo o time executivo é disfuncional, esqueça o assunto e parta para outra: é importante que você compreenda que a cultura corporativa é estabelecida de cima para baixo, e, quando o time executivo opera de forma disfuncional, isso provoca curtos-circuitos ao longo da organização. Se for este o fato, será melhor investir no seu networking para encontrar um lugar melhor para trabalhar, em vez de desperdiçar seu tempo tentando aprimorar o que não pode ser aprimorado. Afinal, uma andorinha só não faz verão.

Talvez, ele esteja prestando atenção: seu chefe pode ter enviado sua ideia ou feedback para outro líder. Pode ser, que ultimamente, ele não tenha circulado próximo a você para lhe contar isso ou talvez não queira admitir a derrota (pois é um duro golpe para o ego dele) ou ainda pode ser que ele pense que esse insucesso acabe desmotivando-o. Quem sabe ele está prestando atenção, mas não é ele quem tem o poder de decisão? As hipóteses são variadas. “Empresas têm regras que levam tempo para ser compreendidas. Tente ser paciente com a dinâmica corporativa”, finaliza o Pablo Aversa.