Qual a relação entre o cinema e a vida profissional?

Histórias mostradas nos telões dos cinemas do mundo podem ser adaptadas e servirem de exemplo para os obstáculos da vida profissional

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – “O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho”, dizia o cineasta Orson Welles. Pode-se constatar, no entanto, que as histórias mostradas nos telões dos cinemas do mundo podem ser adaptadas e servirem de exemplo para os obstáculos da vida profissional.

A única diferença, talvez, está em prosseguir pelos caminhos corporativos sem contar com o auxílio de uma trilha sonora instigante ou de um tão desejado dublê para cenas de perigo. De resto, tudo pode ser muito igual.

Luz, câmera e ação!
Um dos casos mais comuns que pode ser observado em qualquer ambiente empresarial é o do filme “O Diabo Veste Prada”. Andrea Sachs (Anne Hathaway) é uma jovem que conseguiu um emprego na Runaway Magazine, a mais importante revista de moda de Nova York. Ela passa a trabalhar como assistente de Miranda Priestly (Meryl Streep), principal executiva da revista. Apesar da chance que muitos sonhariam em conseguir, logo Andrea nota que trabalhar com Miranda não é tão simples assim.

Aprenda a investir na bolsa

“Este filme pode ser utilizado para promover discussões sobre diferenças e aceitação, comportamento e capacidade de realização, diferenças de estilo, forma de tratar as pessoas e resultados produtivos, abuso do poder e suas consequências negativas, o papel do executivo e o aprendizado com o chefe”, afirma o diretor de Projetos da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Vladimir Araújo.

De acordo com ele, o lado positivo do filme refere-se ao fato de trabalhar para um chefe exigente, o que pode ser uma excelente oportunidade de aprendizado e desenvolvimento para qualquer profissional. 

“Além disso, ser exigente consigo mesmo e com os outros torna a pessoa mais capaz de realizar o que realmente tem valor. Vale lembrar que ser exigente não quer dizer que a pessoa deve ser insensível ao extremo como no caso do filme”, avalia o diretor.

Pipoca e lápis na mão!
Para a consultora da Robert Half, Ana Guimarães, dois filmes em especial apresentam aspectos de liderança que podem ser levados para o ambiente corporativo.

No longa “Mestre dos Mares – O Lado Mais Distante do Mundo” é revelado que a atitude da chefia gera o comportamento da equipe. A história se passa em torno de Jack Aubrey (Russell Crowe), capitão do H.M.S. Surprise, um dos principais navios de guerra da marinha britânica. “O filme foca o respeito, que traz a disciplina. A perspicácia do líder – sempre atento a toda equipe e dando o devido feedback aos comandados – é essencial”, argumenta Ana.

Outro longa citado pela consultora, e que segue o conceito de liderança, é “Duelo de Titãs”. Herman (Denzel Washington), um técnico negro de futebol americano, é contratado para trabalhar com um time integrado de duas escolas colegiais, os ‘Titãs’. Para isso, tem de enfrentar a indiferença dos jogadores e um frio relacionamento com seu assistente, Bill Yoast, o técnico que perdeu a vaga para ele.

PUBLICIDADE

“O foco desta peça é a liderança gerando respeito, a união na equipe através do conhecimento de cada ser humano. Com técnica e relação interpessoal, consegue-se atingir o objetivo: preparar os jogadores perfeitos, ganhar um campeonato e reduzir o preconceito racial”, avalia.

Outras dicas
De acordo com os especialistas, os profissionais que quiserem buscar mais filmes que podem ser associados à carreira podem procurar por:

  • A Procura da Felicidade – Trata-se da história de um homem obstinado que luta para sobreviver e sustentar seu filho, mesmo sob as mais árduas circunstâncias, sem que isso o faça ignorar os principais valores nem perder as esperanças. 
  • Wall Street: Money Never Sleeps – Conta os percalços e as situações vividas por profissionais ligados à área financeira dos EUA, especialmente a Bolsa de Valores.