Decisão certa

Quais pensamentos você deve evitar na hora de pedir demissão

Para tomar a decisão certa sobre ficar ou não em um emprego é necessário considerar diversos aspectos. Veja quais são eles

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Muitas pessoas permanecem em um emprego que odeiam porque têm medo de arruinar suas carreias se saírem da vaga ou da empresa. Não há fórmula secreta na hora de tomar essa decisão. No entanto, certos pensamentos devem ser evitados. Confira quais:

“Não trabalhei tempo suficiente”: há quem diga que é necessário trabalhar pelo menos dois anos em uma empresa antes de pedir demissão. Para outros, esse período vai de três a cinco anos. O mínimo recomendado para que você possa conhecer melhor o lugar e não se arrepender é um ano. Claro que há exceções que permitem que você saia de uma companhia antes de completar esse período. Responda essas três perguntas: estou contribuindo para meus objetivos em longo prazo? Estou crescendo profissionalmente? Sou livre para fazer o meu melhor e me desenvolver? Se suas respostas forem todas negativas então é hora de procurar novas oportunidades.

“Qualquer outro lugar seria melhor”: é importante ser realista sobre aquilo que você sente, como contribui para essa situação negativa e o que faz com que a vaga seja tão ruim. Quando se está infeliz é mais fácil perder a noção e pensar que todos os outros profissionais são mais satisfeitos ou realizados do que você. Tenha expectativas realísticas e esteja pronto para fazer certos sacrifícios.

PUBLICIDADE

“Não vou sair enquanto não tiver outra vaga”: muitas pessoas pensam que é necessário estar garantido em outra vaga de emprego antes de demitir-se do atual. Entretanto, muitas vezes um intervalo entre trabalhos pode ser o ideal para que sua carreira evolua. Viajar, voltar aos estudos, fazer trabalhos voluntários ou freelancers também são respostas para quem deseja parar de trabalhar na empresa atual. Independentemente do que você faça, o importante é saber usar esse intervalo como benefício para sua trajetória profissional, de forma que recrutadores vejam essa motivação para quando voltar a procurar emprego.

“Meus verdadeiros interesses não pagam minhas contas”: ignorar suas paixões e verdadeiros interesses profissionais pode ser a causa de sua infelicidade profissional. Se essa for a sua situação, não importa quanto empregos você tenha e em quais companhias trabalhe. Sempre haverá a sensação de estar incompleto, de estar não realizado.

Veja mais matérias de Carreiras no Universia.