Proteção é essencial para profissionais que trabalham com nanotecnologia

Para professor, uso de equipamentos de proteção individual pode diminuir riscos à saúde

SÃO PAULO – Profissionais que trabalham com nanotecnologia devem se proteger para evitar riscos à saúde. A orientação é do professor do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Poli/USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), Guilherme Lenz e Silva.

De acordo com ele, a síntese – estocagem e manuseio de elementos nanoparticulados – pode trazer riscos aos trabalhadores, tais como a contaminação acidental por meio das vias aéreas e cutâneas.

“Sugerimos o uso de equipamentos de proteção individual, como roupas de proteção e máscaras adequadas no ambiente de trabalho. Existem também alguns tipos de proteção coletiva, como os sistemas de filtragem que absorvem o ar contaminado do laboratório”, diz.

PUBLICIDADE

Nanomateriais
Cada vez mais a nanotecnologia tem sido utilizada para o desenvolvimento de novos produtos com características, muitas vezes, superiores aos materiais convencionais, sendo muito aproveitados no sistema de aplicação de medicamentos, tecidos celulares sintéticos, miniaturização de dispositivos eletroeletrônicos e novas fontes de armazenamento e produção de energia.

Dentre os materiais que mais oferecem riscos à saúde dos trabalhadores, estão os nanometais, que são catalisadores de reações de oxidação no sistema biológico humano e têm potencial explosivo.

Outros tipos de nanomateriais que apresentam risco potencial são as nanofibras e os nanotubos de carbono, especialmente quando a superfície é modificada com grupos funcionais capazes de reagir ou interagir com as células humanas.

“Ainda não se sabe, por exemplo, quanto tempo o trabalhador tem de respirar ou ficar em contato com esses materiais para apresentar um problema mais sério de saúde (…) Como os riscos dos materiais nanoparticulados à saúde humana não são completamente conhecidos pela literatura científica, a melhor decisão é prevenir e evitar o contágio”, finaliza o professor.