Promessas de ano novo: época propicia balanço profissional

"O início do ano favorece a definição de metas, mas há quem faça promessas e não saia do lugar", diz Stefi Maerker

SÃO PAULO – Quem nunca se pegou fazendo promessas a si próprio no término de um ano e no início de outro? É comum fazer um balanço nessa época, repensar hábitos ruins, e apostar naquele sonho: mudar de carreira e fazer o que gosta; abrir o negócio próprio; ou conseguir aquele almejado emprego.

Outro desejo comum é alcançar o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, ter uma vida mais saudável, atualizar os conhecimentos por meio de cursos e ampliar os ganhos salariais. A diretora da Sec Talentos Humanos, Stefi Maerker, adverte que existem dois tipos de promessas: aquelas que são sérias e estão atreladas a um planejamento financeiro e de tempo, e as que são casuais. Essas últimas são rapidamente esquecidas com o tempo.

“O início do ano é um período favorável para planejar e executar novos projetos. Há pessoas que fazem as promessas, mas não saem do lugar. Por outro lado, existem profissionais que desenham suas carreiras, planejam antecipadamente e correm atrás do que querem”, explica.

Resoluções

PUBLICIDADE

Além do planejamento antecipado, essencial para quem quer fazer um curso, Stefi recomenda força de vontade, principalmente se uma das promessas é ter uma vida mais saudável, que, inclusive, influencia o rendimento no trabalho. “Quando alguém não está bem fisicamente, o desempenho profissional é prejudicado. E praticar exercícios faz bem para a mente”, avisa. “Porém, é necessário ter força de vontade para acordar todos os dias uma hora mais cedo.”

Já para quem deseja abrir o negócio próprio ou mudar de área, ela afirma que ir atrás dos sonhos e da felicidade é o correto, porém, para isso, é preciso ser realista e ter certeza do que quer. “Todo projeto demanda tempo e esforço. Por exemplo, não é possível abrir uma empresa sem antes realizar uma pesquisa de mercado”, diz.

Mudança

De qualquer maneira, nunca é tarde para mudar de área. “A pessoa pode mudar de área em qualquer idade. É lógico que, quanto mais jovem, o processo é mais fácil, porque há mais tempo para se dedicar e estudar”, explica a consultora de recursos humanos da Catho Online, Camila Mariano.

A questão problemática, na avaliação de Camila, é que o profissional terá que começar do zero mesmo, o que implica a realização de outra faculdade, os cargos mais baixos e os salários menores também. Daí a importância do planejamento. “Ele terá que voltar a estudar, fazer faculdade ou especialização”.