Profissões ligadas às artes são as menos aprovadas pelos pais

Segundo especialista, existe a tendência de aprovar e indicar profissões com maior visibilidade e status

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As profissões ligadas às artes – como moda, música, cinema, dança, artes cênicas, entre outras – são as menos aprovadas pelos pais, segundo revela pesquisa realizada pelo Portal Educacional.

Além destas, os pais também costumam desaprovar licenciaturas, bem como polícia civil, militar e bombeiro.

Por outro lado, segundo informa a psicóloga Clarice Barbosa, profissões tradicionais como médico e advogados, sobretudo para os homens, costumam ser bem vistas pelos pais. Na opinião dela, a aprovação ou não está ligada à visibilidade.

Aprenda a investir na bolsa

“Existe a tendência de aprovar e indicar aquelas profissões que dão maior visibilidade e status e reprovar as que não dão tanto retorno financeiro. Outro problema é que os pais costumam indicar as profissões que eles gostariam de ter seguido e por algum motivo não puderam”, disse Clarice.

Como ajudar?
No geral, aconselha Clarice, a melhor forma que os pais têm para ajudar os filhos neste momento da vida é ouvindo, compartilhando e oferecendo apoio.

Outra maneira de ajudar é falando da própria experiência na época em que estava decidindo com o que gostaria de trabalhar e das dificuldades e pontos positivos de sua opção.

Além disso, os pais devem respeitar a escolha profissional dos filhos e, no caso de não concordarem com esta, o melhor caminho, diz, é mostrar e explicar os motivos da reprovação.

Os filhos, por outro lado, devem saber enumerar o que os levou a tomar tal decisão e aproveitar a experiência dos pais.

Dicas
Independentemente da família, Clarice aconselha o jovem que está passando pela fase da escolha da profissão a sempre observar suas habilidades e interesses pessoais neste momento.

PUBLICIDADE

Além disso, é importante pesquisar sobre o dia a dia da profissão e avaliar se ela está de acordo com os seus objetivos de vida.

“O que nunca se deve fazer é basear a escolha profissional apenas no retorno financeiro”, finaliza.