Profissões ligadas à saúde, qualidade de vida e negócios devem crescer no Brasil

Projeção de consultoria revela as carreiras que podem se mostrar promissoras até 2020, por conta do momento econômico

SÃO PAULO – Baseada em uma recente previsão do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos, que informou as dez profissões que devem ter demanda significativa até 2020, a Caliper Estratégias Humanas resolveu divulgar suas projeções para o Brasil.

De acordo com a consultoria, assim como nos Estados Unidos, as profissões ligadas à saúde, à qualidade de vida e aos negócios deverão ser as mais promissoras nos próximos oito anos no Brasil, por conta do momento econômico próspero e do aumento da qualidade de vida da população.

“O fato da população estar envelhecendo eleva a importância de profissionais ligados às áreas de saúde e de qualidade de vida”, explica a consultora de desenvolvimento organizacional da Caliper Brasil, Lilian Mary Gonçalves.

PUBLICIDADE

Para ela, o Brasil ainda terá um impulso extra com a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016, já que tais eventos deverão favorecer determinadas carreiras, mais especificamente as de organizador de eventos, intérprete e tradutor.

Entretenimento em alta
Outras profissões que deverão estar em alta nos próximos anos serão as relacionadas ao entretenimento. Ao menos é isso o que aponta a consultora.

“O envelhecimento da população e a aposentaria de boa parte dela farão com que muitas pessoas tenham mais tempo livre para se divertir. Além disso, a Copa e a Olimpíada darão a oportunidade da profissionalização do turismo no País, o que também movimentará o mercado do entretenimento”, pontua.

Bom atendimento
Em ascensão também estarão as áreas que exigem dos profissionais certa habilidade no atendimento e na resolução de problemas. Para quem não sabe, a competência de atendimento costuma se manifestar principalmente em carreiras relacionadas à saúde e qualidade de vida, que requerem uma postura prestativa, relacionada a pessoas que se preocupam em ajudar e servir.

Já o perfil de negócios é um tanto quanto diferente.

Segundo a especialista, nesta categoria, o profissional precisa ser mais analítico, devendo contextualizar as situações, ter uma visão sistêmica e ainda perceber o ambiente de forma estratégica.