Profissional: tendência das empresas é a aposta na diversidade

"É importante se acostumar com todos os tipos de pessoas e evitar discriminação", diz diretora da KlaumonForma Comunicação

SÃO PAULO – A valorização da diversidade entre funcionários é tendência no mundo corporativo. Isso porque, conforme explicou a sócia da consultoria Apoena Social e professora da ESPM, Andrea Goldschmidt, em evento sobre responsabilidade social realizado para a imprensa na última terça-feira (30), em São Paulo, a empresa homogênea não é inovadora.

“A empresa que não cultiva a diversidade em geral, seja ela étnica, cultural, religiosa, de gênero ou socioeconomica, pode sair perdendo, pois perde a capacidade de inovação”, afirmou. “Existem empresários que apostam em padrões de beleza desgastados, que não influenciam positivamente.”

De acordo com as especialistas em responsabilidade social presentes no evento, cada profissional pode contribuir de alguma maneira, segundo suas influências ao longo da vida, origens, opiniões e experiências. Por isso, a diversidade se tornou fundamental às empresas.

Convívio

Portanto, é recomendável que os profissionais se acostumem com os mais diversos tipos de pessoas. “Infelizmente, é comum, no ambiente corporativo, a discriminação, principalmente no caso dos deficientes físicos. Não é raro os colegas de trabalho inventarem piadinhas, mas uma das razões é que eles se sentem ameaçados pelo funcionário com deficiência”, disse a diretora de atendimento e planejamento da KlaumonForma Comunicação, Claudia Cezaro Zanuso, durante o evento.

Andrea explicou que, atualmente, a contratação de deficientes nas empresas com mais de cem funcionários é obrigatória, o que lhe parece um tanto arbitrário, uma vez que existe poucas pessoas deficientes disponíveis no mercado. “Muitos dos deficientes já recebem aposentadoria e, por isso, preferem não trabalhar. Outro desafio é encontrar pessoas capacitadas para determinados cargos.”

Justamente por conta dessa falta de mão-de-obra, os demais membros da equipe podem se sentir ameaçados. Entretanto, fazer piadinhas e agir de maneira preconceituosa apenas irá prejudicar a imagem do profissional dentro da empresa.