Dupla Jornada

Profissional e franqueado: saiba como manter esta dupla jornada

Para lidar com ambas as atividades, é fundamental que o empreendedor invista no treinamento da equipe de trabalho

Pessoas fecham negócio
Pessoas fecham empréstimo

SÃO PAULO – Administrar o próprio negócio, gerenciar funcionários, controlar para que o produto vendido ou serviço prestado seja de qualidade é uma tarefa e tanto para os empresários. A situação é ainda mais complicada para quem não abriu mão da carreira e segue a vida profissional em outro emprego.

Para poder conciliar as atividades, muitas pessoas optam pelas franquias, por causa da consultoria inicial que as franqueadoras oferecem. De acordo com o diretor-executivo da ABF (Associação Brasileira de Franchising), Ricardo Camargo, em algumas marcas, não é tão necessária a presença física do proprietário.

Entretanto, ele ressalta que é fundamental que o empreendedor invista no treinamento da equipe de trabalho. “É importante ter pessoas qualificadas ou alguém de confiança”, diz.

PUBLICIDADE

Para ele, o franqueado deve ter sempre em mente o nível de investimento feito no projeto e o resultado esperado, para que, no final, a dupla jornada valha a pena.

Área de atuação
Sobre a escolha da franquia, o diretor da ABF explica que quem deseja ter o seu negócio e continuar com a sua carreira não precisa necessariamente escolher marcas que tem a ver com a sua área de atuação. Mas é importante que o empresário goste da área em que a franquia atua e tenha uma identificação com o produto.

Um exemplo é a fonoaudióloga Daniela Shayeb. Além de atender pacientes em um hospital, ela é franqueada da rede Nutty Bavarian. Um estudo realizado pela rede mostrou que a fonoaudióloga não é exceção, já que 59% dos empreendedores franqueados se dedicam as outras atividades, sendo que 19% são profissionais da área da saúde.

A diretora-executiva da Nutty Bavarian, Adriana Auriemo, explica que, como os profissionais desta área costumam ter mais flexibilidade para gerenciar seu tempo entre visitas ao quiosque e consultas aos pacientes, “isso, torna o negócio atrativo para este segmento”.

No caso de Daniela, ela trabalha 30 horas e conta com a ajuda de três funcionárias, que a mantêm atualizada sobre o empreendimento por telefone, quando a fonoaudióloga está longe do quiosque. “Passo no quiosque sempre que dá. Quem trabalha comigo tem uma certa independência, mas têm coisas que que elas não podem fazer, como resolver alguma pendência com a administração do shopping”, afirma Daniela.

Engenheiro e empresário
Outro profissional que aposta no sistema de franchising é o engenheiro Adalberto Vieira. Além de ter sua própria construtora, ele comprou oito franquias da Mr. Mix. “Eu procurava uma maneira de ter um ganho extra. Fizemos uma pesquisa de mercado e a franquia atende à demanda da classe C”, explica.

PUBLICIDADE

Para poder conciliar a dupla atividade, ele conta com a ajuda de quatro sócios. Os sócios se revezam nas tarefas das franquias. Até o momento, eles inauguraram apenas uma loja, mas as outras estão em processo de implantação. Cada loja deve ter, em média, seis funcionários.

Vieira declarou que gosta de ficar de fora da linha de frente da franquia, porque assim ele consegue visualizar o negócio como um todo. “Eu gosto de planejar e executar. O negócio é da maneira que eu imaginei”, finaliza.