Processo seletivo: você já pensou na sua privacidade ao participar?

Privacidade é fundamental para atrair profissionais ainda mais qualificados e melhorar o nível dos candidatos selecionados

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Participar de um processo seletivo pode ser a oportunidade para conquistar o cargo que almeja, ter um salário maior, trabalhar em um ambiente diferente, entre outras coisas. Mas será que os profissionais têm privacidade ao mandar o currículo?

“Na era da informação, em que muitos processos são on-line, a privacidade ganha mais importância. Cadastrar-se em um site, por exemplo, em que os dados podem ser acessados livremente pelas empresas contratantes, acaba com a privacidade do processo”, afirmou o diretor-executivo da empresa de hunting on-line INDICA, Dan Turkieniez.

Segundo Turkieniez, muitas vezes, a empresa contratante não divulga o próprio nome. Neste caso, além de o currículo poder cair nas mãos de algum conhecido, corre-se o risco de se concorrer a uma vaga na mesma empresa na qual se trabalha.

Aprenda a investir na bolsa

Outro problema, citado por ele, é que a maioria dos sites de emprego recebe as vagas oferecidas pelas empresas e encaminha os currículos completos para avaliação. “Não há uma pré-seleção e uma preocupação com a privacidade do candidato”, afirmou Turkieniez.

Caminho inverso
O mesmo não ocorre no caso dos serviços de head hunting, utilizados para contratação a partir de média gerência até executivos, já que a preocupação em manter a privacidade é maior, pois as empresas especializadas neste tipo de contratação fazem o mapeamento do mercado e identificam os profissionais que atualmente estão empregados, mas que apresentam as qualificações procuradas pela empresa contratante.

“O mercado precisa é preencher este gap que existe entre empresas de executive search e os sites comuns de emprego. A privacidade nos processos seletivos é um ponto crucial para atrair profissionais ainda mais qualificados e melhorar o nível dos candidatos selecionados”, afirmou Turkieniez.

Segundo Turkieniez, esta preocupação é crescente e movimenta as empresas do setor de recursos humanos, já que as companhias buscam ferramentas que unam as vantagens dos dois processos seletivos: a agilidade dos sites de emprego e a qualidade e privacidade dos processos de executive search. Desta maneira, é possível a recolocação de melhores profissionais, sem colocar em risco a sua ocupação ou cargo atual.