Processo de mudança deve levar em conta aspectos humanos

Autora do livro "Atreva-se a mudar" mostra os dez princípios para incorporar o lado humano na gestão de mudança

SÃO PAULO – “Para mudar, não basta criar o melhor plano estratégico e tático. Para conseguir os resultados desejados, é preciso compreender profundamente o aspecto humano da gestão de mudanças”, explica a jornalista Alessandra Assad, autora do livro “Atreva-se a mudar: como praticar a melhor gestão de pessoas e processos”.

Segundo explicou, mesmo com um plano detalhado da mudança, a liderança não conseguirá alcançar seus objetivos se não chegar ao nível de cada um de seus funcionários. Para isso, porém, não há uma fórmula mágica. No entanto, existem alguns princípios que devem ser seguidos.

Os dez princípios

Alessandra cita os dez princípios elaborados por John Jones, Matthew Calderone e DeAnne Aguirre, para lidar melhor com o aspecto humano da mudança. O primeiro deles é “Cuidar das pessoas de maneira sistêmica”, sem deixar com que se sintam inseguras com a chegada de novidades e pessoas desconhecidas.

PUBLICIDADE

Como os líderes são as pessoas buscadas quando surgem dúvidas, eles devem ser os primeiros a saber sobre o processo de mudança. “Comece por cima”, para poder dar apoio, força e direção. Mas, à medida que o tempo passa, a mudança chega aos vários níveis hierárquicos e, neste momento, é preciso “Envolver todos os escalões”.

Quando se envolve todos os funcionários, porém, surgirão questionamentos, o que é totalmente normal. “Prepare a justificativa formal”. Isso significa esclarecer as dúvidas. “A articulação de uma justificativa formal para a mudança e a elaboração de uma declaração de visão por escrito são oportunidades inestimáveis para criar ou incentivar o alinhamento da equipe de líderes”.

Outra atitude a ser tomada é “Estimular o senso de propriedade”, o que significa que os líderes devem adquirir um senso que os leve a assumir a responsabilidade pela mudança efetiva em todas as áreas em que tenham influência e controle.

Comunicação aberta

Um aspecto que não deve ser deixado de lado é “Transmitir a mensagem”, mas de maneira reforçada, sendo diversificado e redundante. Além disso, peça um feedback e sugestões. “Avaliar o cenário cultural” é outro princípio fundamental, já que compreende a fiscalização do comportamento dos funcionários.

Ainda é preciso “Tratar abertamente da cultura da organização”, fazendo com que os funcionários compreendam qual é o pensamento, as atividades, as regras e os conceitos da empresa.

Todo o processo de mudança pode trazer consequências inesperadas e o que deve ser feito é “Preparar-se para isso”. Faça novas avaliações, inclusive em relação ao comportamento dos funcionários, para evitar a desmotivação.

Por último, mas não menos importante, “Fale com as pessoas”, as quais passam a maior parte do seu dia no trabalho e precisam saber o que ocorre neste ambiente. “Os líderes de equipe devem ser ao máximo sinceros e explícitos”, finaliza Alessandra.