Primeiro salário: saiba como controlar as finanças e evitar gastos desnecessários

O trabalhador fica ansioso em gastar o salário, porém, um passo errado pode comprometer as finanças do mês seguinte

SÃO PAULO – Além das expectativas comuns de quem começa a trabalhar, o primeiro salário é um momento muito esperado, porém, se não for utilizado com sabedoria, o tão esperado dinheiro pode se tornar uma dor de cabeça no mês seguinte.

De acordo com o coordenador do curso de Pós-Graduação em Controladoria Financeira da FAAP, James Teixeira, essa ansiedade é mais comum entre os jovens. “Normalmente, eles ganham o primeiro salário e querem agradar os parentes com presentes e isso pode complicar as finanças do mês seguinte”, explica.

Segundo Teixeira, é comum que o trabalhador gaste também com o cartão de crédito, acreditando que o salário do mês seguinte poderá arcar com os gastos, porém, ele precisa ficar atento às armadilhas dos parcelamentos. “Com o cartão de crédito, dados estatísticos indicam que o trabalhador gasta 18% a mais do que se fizesse as compras com dinheiro. O trabalhador precisa entender que aquele dinheiro não é dele, ou seja, ele terá que pagar”, afirma.

PUBLICIDADE

Consumismo
Um dos maiores problemas dos trabalhadores são os gastos desnecessários que, segundo o coordenador, são responsáveis pela desorganização do orçamento. “Um dos exemplos são os celulares, já que todo mês são lançados novos modelos. O trabalhador precisa analisar se ele realmente precisa deste item, se realmente é necessário trocar de aparelho com frequência”, explica.

Para que as finanças fiquem em ordem, o trabalhador precisa “ter disciplina e orientação, senão começará a vida financeira de forma errada”, afirma Teixeira.

Mantendo as contas em dia
Para quem acabou de começar a trabalhar e tem o primeiro salário pela frente, o coordenador explica que é essencial evitar gastos desnecessários. Segundo ele, é normal ter 30% do salário comprometido com dívidas, é um sinal verde.

Por outro lado, o trabalhador precisa ficar atento aos gastos para evitar os sinais amarelo e vermelho. “Quem compromete de 35% a 40% do salário tem sinal amarelo, precisa ter atenção para não entrar no vermelho. Já quem compromete acima de 50% da renda, tem o sinal vermelho, um alerta, pois qualquer problema poderá comprometer o orçamento”, explica Teixeira.

Para aprender a controlar os gastos desde o primeiro salário, o coordenador aconselha que o trabalhador use uma análise vertical, ou seja, anotando tudo que gasta, pois dessa forma poderá perceber o que está sendo gasto desnecessariamente. “Disciplina é a palavra de ordem para quem quer ter as contas em dia”, finaliza.