AO VIVO Do Zero Ao Gain: André Moraes fala sobre teoria de Dow, conceito de tendência e médias móveis

Do Zero Ao Gain: André Moraes fala sobre teoria de Dow, conceito de tendência e médias móveis

Previdência: reajuste será de 4,56% para quem recebe mais que um salário mínimo

Reajuste será diferenciado para esses beneficiários, assim como o novo salário-família; índice para correção foi o INPC

SÃO PAULO – Nessa quinta-feira, dia 29 de abril, foi anunciado o novo valor do salário mínimo, que teve um reajuste de 8,33%, passando de R$ 240 para R$ 260. Além disso, o governo anunciou o percentual do reajuste para os aposentados e pensionistas da Previdência Social que recebem mais de um salário mínimo.

O governo irá reajustar esses benefícios em 4,56% no mês de maio, para pagamento no mês de junho, obedecendo a Lei 10.999 de setembro de 2003. O percentual de reajuste foi definido, segundo informações do Ministério da Previdência Social, com base na variação acumulada pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) entre junho de 2003 e abril de 2004.

Salário-família também será reajustado

O valor do salário-família, pago por criança de 0 a 14 anos, também será reajustado de forma diferenciada. Para quem ganha até um salário mínimo e meio (R$ 390,00), o valor passará a ser de R$ 20,00. Para quem ganha entre R$ 390,00 e R$ 586,00, o novo valor será de R$ 14,06.

PUBLICIDADE

A Previdência Social paga 6,4 milhões de cotas mensais do benefício, sendo que 64% são para trabalhadores com renda mensal de até um salário mínimo e meio. Vale lembrar que atualmente somente os trabalhadores empregados com salário até R$ 560,81 é que têm direito ao salário-família, sendo que o limite passará a ser de R$ 586,00.

Além desta categoria, os trabalhadores avulsos, os aposentados por idade ou invalidez e aqueles que também recebem o auxílio-doença podem ter acesso ao benefício. De acordo com os cálculos do Ministério da Previdência, o aumento do salário mínimo provocará uma elevação de R$ 598 milhões nas contas da Previdência, dos quais R$ 204 milhões referem-se ao aumento dos benefícios pagos pelo salário-família.