Os "caça-fantasmas" reais

Preparado para o Halloween? Veja 7 profissões consideradas “paranormais”

Para muitos, os assuntos paranormais não passam de uma brincadeira de 31 de outubro, mas há aqueles que fizeram desse campo sua carreira

SÃO PAULO – Todo o fim do mês de outubro renova o interesse geral sobre assuntos paranormais, como espíritos, bruxaria, fenômenos e situações mal explicadas. Para muitos, isso não passa de uma brincadeira de 31 de outubro, mas há aqueles que vivem isso 365 dias por ano e tornam esse assunto sua profissão. Duvida?

Em New England – região em que se acredita ser o epicentro dos Estados Unidos de atividades paranormais -, o centro sem fins lucrativos, Connecticut Paranormal Research Society estuda informações sobre o que seria “inexplicável” e lança luz sobre “anomalous activity” (atividades anômalas, em português). O centro também promove o desenvolvimento de carreiras neste campo e ajudam pessoas que sentem desde mal-estar a agressões físicas, analisando e pesquisando circunstâncias misteriosas.

Para os co-fundadores da CPRS, Joe Franke e Orlando Ferrante, os estudos diferenciam a realidade da ficção. “Este tipo de trabalho não é para todo mundo”, diz Franke ao site americano CareerCast.com. “Você está lidando com a vida das pessoas e suas emoções, o que significa que temos de eliminar os casos de curiosidades e caçadores de emoção”.

PUBLICIDADE

O mercado de trabalho paranormal

A pesquisa paranormal ganhou notoriedade nos últimos anos, graças aos sucessos de programas de TV como “Os Caça-Fantasmas” e a franquia de filmes “Atividade Paranormal”. Contudo, a mídia oferece uma percepção distinta dos processos meticulosos que os pesquisadores paranormais têm sobre um caso.

“O nosso trabalho não pode se encaixar em um segmento de 22 minutos com comerciais”, diz Franke. “Filmes fazem acreditar que há demônios em cada esquina”.

O co-fundador diz também que a carreira paranormal é bem interessante e que se aproxima de um trabalho de detetive. Os pesquisadores fazem coletas de dados e evidências, além de utilizar vídeo e áudio para capturarem algum sinal “de outro mundo” em um ambiente.

As profissões paranormais

Se você se sente inspirado nesse Halloween, o site também dá alguns exemplos de carreiras que atuam no campo paranormal, veja as 7 principais:

Caçadores de fantasmas (Ghost Hunters): os investigadores paranormais se concentram em localizar e descobrir espíritos ou energias em ambientes.

Médium/Parapsicologista: o termo médium é derivado do status de homens e mulheres que fazem a comunicação entre os mortos e os vivos. O conceito de parapsicologista foi dado no século XIX e esse profissional lida com uma série de atividades, que vão de clarividência a telecinese.

PUBLICIDADE

Professor metafísico: metafísica é uma visão filosófica, que se esforça para obter respostas para os mistérios inexplicáveis do mundo. Metafísicos podem se concentrar em um número de diferentes disciplinas, incluindo a investigação sobre o paranormal.

Transmissão e engenheiro de som: “fenômenos eletromagnéticos”, como Ferrante descreve, são capturados em dispositivos de gravação digital e analisados em computadores. Mais sofisticado é o equipamento, melhor – e mais habilidades o profissional deve ter.

Fotojornalista: trabalho com a câmera é um componente vital do campo da pesquisa paranormal. Os avanços tecnológicos exigem que o profissional conheça os equipamentos de amplo espectro, de alta definição e câmeras de imagem térmica.

Historiador: atividade paranormal é declaradamente mais desenfreada em New England, aponta Franke. Ele diz que é a região é a mais antiga dos Estados Unidos, onde já houve guerras e outras tragédias. “Entender a história de uma região ajuda a explorar as pistas paranormais”.

Analista forense (perito): a capacidade de encontrar e coletar evidência de um possível evento paranormal é essencial, mas requer as habilidades de um cientista.