Prefeitura determina prazo de 60 dias para acordo sobre trabalho aos domingos

Até que sindicatos e comerciários cheguem a um acordo, funcionamento do comércio fica liberado nos próximos domingos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, decidiu intervir junto aos sindicatos patronais e comerciários sobre a polêmica questão da proibição da abertura do comércio aos domingos.

Como forma de resolver a questão de uma vez por todas e partir para a regulamentação da Lei 13.473 do vereador Toninho Campanha (PSB), a prefeita da cidade determinou um prazo de 60 dias para que as partes cheguem a um acordo. Até lá, o funcionamento do comércio fica liberado nos próximos domingos.

Domingo trabalhado pode custar R$ 15

A decisão de Marta Suplicy foi tomada nesta quarta-feira, dia 15, quando se reuniu com representantes dos comerciantes e comerciários na sede do Executivo paulistano. Apesar de ter se mostrado a favor do funcionamento do comércio aos domingos, a prefeita não opinou sobre a questão dos direitos trabalhistas, de forma que preferiu que o assunto fosse questionado entre as partes durante o prazo determinado.

Aprenda a investir na bolsa

Os comerciários propuseram às empresas trabalharem apenas dois domingos por mês, mediante o pagamento de bônus extra de R$ 15 para cada dia trabalhado, além do pagamento do transporte e vale refeição. Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Empregados no Estado de São Paulo, Ricardo Patah, o problema maior nas negociações está no bônus de R$ 15, contudo, após o papel mediador da prefeita como forma de evitar conflitos entre as partes, ele acredita num acordo benéfico para ambas as partes.

Fecomércio e ACSP otimistas quanto às negociações

O mesmo otimismo é divido pelo presidente da Federação do Comércio do Estado de São Paulo, Abram Szajman, que garantiu que as negociações estão indo bem. Szajman disse que comerciantes e comerciários estão muito próximos de chegarem a um acordo, antes mesmo do prazo determinado pela prefeita, provavelmente já na próxima semana.

Da mesma forma, o presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Alencar Burti, se diz bastante aliviado com o prazo de 60 dias para as negociações. Burti garante que o acordo, que está próximo, deverá beneficiar a todos, ao passo que o aumento das vendas dos comerciantes aos domingos, o incremento na remuneração dos empregados, maior arrecadação da prefeitura, e satisfação dos consumidores que já adotaram o domingo como dia preferido para as compras, será o suficiente para a cidade ganhar mais com turismo, negócios, renda e empregos.