Práticas motivacionais podem não ser tão produtivas quanto parecem

Empresa deve assumir sua posição sobre o que pode oferecer ao funcionário, e transparecer quais são suas moedas de troca

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Treinamentos, consultorias e outras ferramentas comprometidas a fornecerem resultados motivacionais podem não funcionar como o esperado no ambiente organizacional, pois cada um age e pensa de maneira diferente. A opinião é do consultor em Gestão de Pessoas e especialista em treinamentos e consultoria, Eduardo Ferraz.

Para o especialista, a empresa deve assumir sua posição sobre o que pode oferecer ao funcionário, e transparecer quais são suas moedas de troca.

“Se você oferece o salário alto como principal motivador, por exemplo, então procure por profissionais que se sentem motivados ganhando bem, e não se importam em ter pouca qualidade de vida”, exemplificou. “O mais importante nesta estratégia é oferecer o que a empresa realmente dispõe: a fórmula tem a ver com a estrutura, os valores e a cultura da organização. Nas pequenas empresas, o que conta são os valores do dono”, explica o especialista.

Aprenda a investir na bolsa

Cartas marcadas
O consultor sustenta que as empresas trabalham com uma espécie de moedas de troca ou fatores que motivam as pessoas. Abaixo, ele enumera quatro delas:

  • Dinheiro – Está relacionado ao salário, comissão, bônus e outros mecanismos de recompensa monetária;
  • Segurança/Conforto – Tem relação com a segurança (estabilidade e regras claras), assim como bem-estar físico (instalações e equipamentos adequados), bom ambiente de trabalho e (ou) pouca pressão por resultados;
  • Aprendizado – É todo conhecimento que a empresa proporciona por meio de treinamentos formais e do aprendizado informal que se adquire durante o período de trabalho;
  • Reconhecimento ou status – É como a empresa proporciona aprovação social ao indivíduo. Elogios públicos, promoções e compartilhar o sucesso têm a ver com esta moeda de troca.

“Não existe uma equação ideal para conseguir administrar bem um negócio. Para obter um ambiente de trabalho saudável e produtivo para ambas as partes, comece por identificar a sua “fórmula”, e as explicite quando contratar um novo colaborador”, diz Ferraz.

“Para analisar os funcionários que já estão dentro, é mais fácil: o histórico profissional mostrará o que mais o motiva. Usando esta análise, será mais fácil identificar a pessoa certa para seu negócio”, conclui.