Posições abertas no mercado de trabalho crescem 26,46% em abril

Área Comercial foi a que mais ofertou vagas aos profissionais, com 13,3% das oportunidades, aponta estudo da Ricardo Xavier

SÃO PAULO – Em abril, o número de novas oportunidades abertas no mercado de trabalho cresceu 26,46% em relação ao mês anterior, segundo revelam dados do estudo mensal de vagas da Ricardo Xavier Recursos Humanos.

Para o diretor geral da consultoria, João Xavier, os profissionais devem aproveitar o bom momento da economia para aprimorar os conhecimento e se especializarem, visto que a disputa por talentos deve se acirrar cada vez mais.

“Os dados da pesquisa vão ao encontro do atual cenário econômico brasileiro. O mercado está aquecido, mas a falta de mão de obra pode frear o crescimento do País”, diz o executivo.

PUBLICIDADE

Destaques
Ainda de acordo com o estudo, a área Comercial foi a que mais ofertou vagas aos profissionais, com 13,3% das oportunidades. O setor de Engenharia, com 7,9%, está na segunda posição.

Em seguida, aparecem os setores Financeiro (5,4%), Industrial (5,2%), Administrativo (5%),Tecnologia da Informação (4,6%) e Recursos Humanos e Maketing, 3,8% cada.

As posições foram, em grande parte, abertas pelas companhias nacionais, cujo percentual de novas posições oferecidas atingiu 79,22%. Já as multinacionais ofertaram 20,78% das posições.

No que diz respeito aos profissionais mais demandados, os de engenharia ficaram em primeiro lugar, com 19,18% da procura, seguido pelos profissionais de administração (12,15%), ciências contábeis (5,73%), economia (3,77%), propaganda/ publicidade e marketing (3,65%), direito (2,27%), psicologia (1,54%), análise de sistemas (1,50%) e tecnologia da informação (1,11%).

Localidades
São Paulo (Capital e Grande SP), Campinas (Interior de SP), Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Salvador são as áreas mapeadas pela pesquisa.

Dentre elas, as que mais abriram vagas foram São Paulo (42,28%) e Campinas (17,45%). Na sequência estão Porto Alegre (12,01%), Salvador (11,01%), Rio de Janeiro (10,96%) e Belo Horizonte (6,29%).