Por que as pessoas têm medo de demissão?

Há quem tenha medo de ser taxado de incompetente. Trata-se de uma crença geral, mas nem sempre as pessoas são demitidas por incompetência

SÃO PAULO – O professor do Ibmec-SP e diretor da multinacional francesa Groupe BPI no Brasil, Gilberto Guimarães, conta em seu livro “Tempos de grandes mudanças”, que o fenômeno mundial do desemprego passou a ser encarado sob a perspectiva do medo. As pessoas passaram a temer ficar sem trabalho.

“Apenas como exemplo, em 1989, o Brasil tinha um índice de desemprego de 3,1%, taxa considerada de pleno emprego. Anos depois, os índices se fixam ou se mantêm em algo próximo de 11%. Isso significa que, como em todos os outros mercados, o mercado de trabalho também já não cresce nas mesmas proporções. Para alguém arrumar um emprego, outra pessoa está deixando de se empregar”, diz ele em seu livro.

“A grande maioria da população afirma que seu maior temor é perder o emprego. No Brasil, segundo pesquisas, esse medo atinge 63% da população”, acrescenta Guimarães.

Medo e competição

Para a socióloga e consultora organizacional do Idort/SP, Tânia Zarpelão, tanto medo de demissão gerou uma perceptível competição nas organizações. Mas por que as pessoas vivem dia após dia com esse medo? Ela explica que muitos profissionais têm medo da humilhação, porque viram colegas que, ao serem demitidos, passaram por situações embaraçosas.

Outros acreditam que não estão preparados para o mercado, que está cada vez mais competitivo, ou têm uma rede de relacionamentos pequena, insuficiente para o caso de precisarem de ajuda. Eles pensam “se eu sair daqui, o que vou fazer?”. “Muitas vezes, as pessoas se acomodam onde estão e não se preparam para o mercado”.

Há ainda o medo causado pela pressão familiar, isto é, como alguém pode se permitir ficar desempregado com tantas pessoas dependentes dele para sobreviver? Tânia lembra também que existem situações propícias para o medo da demissão: quando a empresa passa por um processo de fusão ou aquisição, quando chega um novo funcionário talentoso demais, quando muda a liderança, entre outras tantas.

Por fim, há quem tenha medo de ser taxado como incompetente. Trata-se de uma crença geral. Mas a consultora do Idort/SP garante que nem sempre as pessoas são demitidas por falta de competência. “Às vezes, as demissões acontecem por conta de reestruturações internas ou de salários altos”.

O remédio para afastar o medo

Tânia diz que para combater o medo é necessário investir no autoconhecimento. “Sem confiança, o profissional pode sentir muito mais o baque de uma demissão e demorar mais para arranjar um novo emprego”.

Além disso, como o medo é causado justamente pela insegurança, as pessoas devem ter consciência de suas habilidades e talentos, devem saber quem são e como estão posicionadas na comparação com o mercado.

PUBLICIDADE

Isso significa que é importante investir no aprimoramento profissional e na pesquisa acerca do seu mercado de atuação. Analise o que profissionais “concorrentes” têm que você não tem, e também o que você tem e eles não. Por fim, abra seu leque de opções quanto aos lugares em que pode trabalhar. Por exemplo, um engenheiro pode trabalhar na área técnica, na comercial e, dependendo, até no marketing. Da mesma maneira, um jornalista pode trabalhar em assessoria de imprensa, rádio, jornal, revista, televisão e sites.