Por outro caminho: o que leva as pessoas a fugirem da área de formação?

Melhor forma de analisar se está ou não na área certa é perguntando-se: o que eu faço bem? O que gosto de fazer?

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – “As pessoas são felizes quando fazem o que gostam”, resume o presidente da Curriculum.com.br, Marcelo Abrileri.

Por pressão da família, da sociedade, falta de autoconhecimento, ou até mesmo por ambição, muitos jovens acabam escolhendo carreiras que pouco os atraem.

Pode acontecer ainda de eles optarem por uma profissão que não existe. Impossível? Não. O fato é que nem todo mundo procura se inteirar do dia-a-dia de determinada profissão e da situação do seu mercado antes de se matricular na faculdade. “Depois de um tempo, cai a ficha. E então o profissional pode não se sentir feliz atuando na área na qual se formou”, afirma Abrileri.

Como saber que o caminho pode ser outro?

Aprenda a investir na bolsa

A melhor forma de analisar se está ou não na área certa – o que independe da formação – é perguntando-se: o que eu faço bem? O que gosto de fazer? O que posso fazer que condiz com meus valores?

A escolha de qual caminho seguir diz respeito a você, a sociedade não precisa julgar suas escolhas, desde que estas o façam se sentir mais completo e de bem com a vida.

“Cada um deve seguir seu caminho e essa escolha tem a ver com suas expectativas de vida, tem a ver com você. Conheço pessoas que optam por trabalhar meio período para que possam se dedicar a outras atividades. Conheço um casal de agrônomos que decidiram montar uma pousada e adotar um novo estilo de vida. Quando se faz algo com dedicação, geralmente se é reconhecido, independentemente de atuar na área de formação”.

A história de quem foi por outro caminho

Jorge Abu Jamra se formou em administração com ênfase em comércio exterior. Mas, atualmente, atua com marketing online. É o responsável pelas vendas online da Curriculum. Não foi bem uma escolha, mas algo que aconteceu naturalmente, já que suas escolhas sempre se basearam no que realmente gostava de fazer.

“Um pouco antes de entrar na faculdade, trabalhei em uma loja de bicicletas. Foi na época da abertura econômica do Brasil e notei que a importação era a bola da vez. Era um assunto em voga naquela época. Sempre fui apaixonado pela internet, mas, naquele tempo, ninguém pensava em ganhar dinheiro com a internet”, lembra ele, ao contar o motivo de ter decidido cursar administração com ênfase em comércio exterior.

Depois que ele se formou, acabaram surgindo oportunidades na área de e-commerce e Jamra as abraçou. “É algo que faço naturalmente, porque me interesso muito pelo assunto”.

PUBLICIDADE

Ele teve de fazer alguns cursos, para aprender como utilizar as ferramentas tecnológicas. “Fiz uma infinidade de cursos”. Mas não chegou a fazer uma faculdade na área de marketing online. “Não me sinto ameaçado pelos profissionais da área que, ao contrário de mim, possuem diploma, porque, muitas vezes, o que faz a diferença é a experiência e a paixão pelo que faz. Porém, a quem não quer atuar na área na qual se formou, recomendo que estude e se dedique ao que deseja fazer“.