Ponto Eletrônico: Lula afirma à CNI que irá rever a portaria

Proposta da entidade é suspender a portaria e criar um grupo para discutir um mecanismo adequado aos interesses de empresários e trabalhadores

SÃO PAULO – O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou ao presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Braga de Andrade, que irá rever a portaria que obriga as empresas a trocarem seus sistemas de ponto eletrônico.

“O presidente deixou claro que vai tomar uma providência. Na próxima semana, temos reunião com a ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra”, diz Andrade, segundo a Agência CNI.

A proposta da entidade é suspender a portaria e criar um grupo de trabalho para discutir um mecanismo adequado aos interesses de empresários e trabalhadores.

PUBLICIDADE

A perspectiva de Andrade é que o grupo de trabalho seja formado por representantes dos trabalhadores, das empresas e do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Altos custos
A CNI declara que as mudanças previstas terão alto custo para as empresas. De acordo com Andrade, serão necessários investimentos de até R$ 6 bilhões para a compra de equipamentos. Cada máquina custa entre R$ 2,5 mil e R$ 5 mil.

Além disso, o setor industrial está com dificuldade de comprar o aparelho, que está em falta no mercado e precisa ser importado. Andrade afirma ainda ainda que o novo sistema aumentará a burocracia para as empresas e complicará a rotina dos empregados.

“Os trabalhadores terão de enfrentar filas nas empresas e guardar os comprovantes de entrada e saída em casa. Serão entre 26 e 50 metros de papel que cada trabalhador terá que guardar por ano, no período de cinco anos”, finaliza.