Plano de carreira deve ser elaborado ainda antes de entrar na faculdade

Projetar o futuro profissional evita frustrações e além de ser um atitude econômica, pois ajuda a tomar as decisões certas

SÃO PAULO – Nem sempre os jovens sabem exatamente qual profissão querem seguir e, os que acham que sabem, nem sempre compreendem, na prática, o que é ser um engenheiro, uma advogado, um médico ou qualquer outro profissional. A sugestão, no entanto, é fazer um plano de carreira, ainda antes de entrar na faculdade.

O plano de carreira vai atuar basicamente em três vertentes, avaliando a vocação do estudante, seu perfil comportamental e medindo a empregabilidade da profissão escolhida, evitando frustrações futuras, dada a atual realidade do mercado de trabalho.

De acordo com Marcos Garcia, da Serhumano Consultoria, sentar e planejar a carreira também é uma atitude econômica. “É importante para saber quais são as ações certas a tomar, ajudando a não gastar dinheiro com coisas que não vão levá-lo a lugar nenhum”, pondera Garcia.

PUBLICIDADE

Limitando os erros
Claro que nenhum plano de carreira consegue fazer com que as pessoas acertem cem por cento, mas os benefícios são, sim, muito claros. Garcia observa que a maioria dos jovens que vão buscar um teste vocacional está “perdida”. Por conta disso, a decisão sobre qual carreira seguir acaba sendo influenciada na maior parte das vezes pelos seus pais, de forma direta ou indireta.

Na forma direta o pai pressiona, ou mesmo obriga, seu filho a seguir uma determinada carreira; na forma indireta, o filho acaba seguindo a carreira de um dos pais por ser um dos poucos exemplos profissionais com que teve contato. De uma forma ou de outra o resultado não será positivo.

Então, sentar e projetar o futuro, avaliando suas características comportamentais, seu perfil profissional e observando melhor as exigências de cada profissão ajuda a evitar ter que trocar de graduação no meio do curso e perder tempo com especializações que não vão agregar em nada. “Quando começamos a planejar mais cedo nossos passos profissionais, as nossas escolhas e decisões poderão ser mais assertivas”, pontua Alexandre Guedes, diretor da Geara & Guedes Coaching e Consultoria Organizacional.

Vantagem competitiva
Além de limitar os erros, entender a importância do planejamento prévio ajuda o indivíduo a se tornar um profissional mais rápido. Quando você já sabe o que quer e está no caminho certo, você tem tempo para se dedicar a elementos que vão potencializar o seu sucesso.

O objetivo fundamental do plano de carreira é aumentar vantagem competitiva, preparando a pessoa, antecipadamente, para posicionar-se de maneira mais adequada no mercado de trabalho. “Com um plano o jovem conseguirá enfrentar, de maneira competitiva, outros profissionais que estejam eventualmente buscando uma inserção no mercado”, explica Guedes.

Indo além
O plano de carreira também é sugerido, pois ele tem o poder de ir além dos testes vocacionais. Ele não se restringe a dizer se o estudante tem que seguir uma carreira na área de humanas, exatas ou biológicas. Um bom plano de carreira, além de sugerir a área que o jovem possivelmente terá sucesso, tenta compreender se o jovem tem as competências necessárias para ser um profissional de sucesso naquela área.

PUBLICIDADE

Caso o estudante esteja determinado a seguir uma profissão, com o plano ele já consegue visualizar quais as competências que ele tem deficiência e pode, desde cedo, começar a desenvolvê-las.

Outra questão chave que o plano de carreira vai abordar é a diferença entre o que é uma profissão e o que é ser um profissional. Os consultores percebem que a inexperiência dos jovens é ainda mais sentida quando são levantadas questões como hierarquia, ética e permitir ser ajudado. Ser um profissional, portanto, é entender as exigências e pressões inerentes ao mercado de trabalho.

Networking desde já!
Os consultores concordam que construir uma rede de contato é essencial e deve ser iniciada o quanto antes. O período acadêmico deve ser aproveitado ao máximo nesse sentido. Professores e colegas de faculdade podem ser extremamente úteis futuramente.

As redes sociais também não devem ser descartadas. Garcia recomenda usar a ferramenta não só como uma fonte de lazer e entretenimento, mas também de forma séria, cultivando relacionamentos interessantes, criando novos contatos e buscando discutir ideias.