Pesquisa mostra qual o profissional mais buscado pelas empresas

Segundo estudo do Ipea, demanda é maior por homens com idade entre 31 e 37 anos e com pelo menos ensino médio

SÃO PAULO – De acordo com o estudo “Demanda e perfil dos trabalhadores formais no Brasil em 2007”, dos pesquisadores do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), André Campos e Ricardo Amorim, há uma maior demanda por profissionais homens, não negros e na faixa dos 31 aos 37 anos.

Quanto à formação, os dados ainda comprovam que eles devem ter pelo menos o ensino médio – de 8,2 a 13,1 anos de estudo.

As vagas são, em sua maioria, nas áreas industrial e de atendimento público e oferecem remuneração média entre R$ 640 (indústria têxtil e de calçados) e R$ 1.916 (setor financeiro).

Vagas de emprego

PUBLICIDADE

A pesquisa mostra que, neste ano, a expectativa é de geração de 1,592 milhão de novos empregos formais no Brasil. O número de trabalhadores qualificados para conquistar essas vagas deve ficar em 1,676 milhão em todo o país. O resultado será 84 mil pessoas que excedem às necessidades dos postos regulamentados.

A situação, porém, não é homogênea no País. Nas regiões Norte, Sul e Centro-Oeste, faltam pessoas qualificadas e com experiência profissional. Já no Sudeste e Nordeste, sobram pessoas preparadas para ocuparem os postos de trabalho. Em ambos os casos, o profissional deve buscar sempre se aprimorar, para ter um diferencial competitivo.

Para as regiões em que faltam vagas, uma notícia positiva: de acordo com o presidente do Ipea, Márcio Pochmann, o crescimento econômico do Brasil poderá provocar um aumento no número de empregos com carteira assinada, que remunera bem e protege o trabalhador.

A tendência é haver procura por trabalhadores com melhor formação, ganhando salário melhor. “Isso certamente vai implicar escassez de mão-de-obra e falta de trabalhadores em determinadas profissões”, disse, segundo a Agência Brasil.

Campos promissores

Do conjunto de empregos formais a serem abertos em todo o País, a maior parte deve se concentrar no setor de serviços, que deve responder por 54% – ou 563 mil postos de emprego formais -, seguido da indústria extrativista e de transformação, com 28% do total (446 mil).

A pesquisa mostra que o setor agropecuário e o da construção civil devem responder por menos de 10% do emprego formal gerado no ano. O setor do comércio, por sua vez, será responsável por 27% de toda a ocupação aberta em 2007.