Pesquisa: cresce o número de mulheres nos conselhos de empresas de capital aberto

Representantes do sexo feminino somam 8% do total das posições efetivas em 2011, informa estudo do IBGC

SÃO PAULO – A participação de mulheres nos conselhos de administração das empresas brasileiras listadas em Bolsa tem crescido nos últimos anos. Das 2.647 posições efetivas em 2011, 8% são ocupadas por representantes do sexo feminino. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (31) pelo IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).

De acordo com o relatório “Mulheres no Conselho de Administração das Empresas Listadas Brasileiras”, que traz o panorama da diversidade e a quantificação da presença da profissional nos conselhos de administração, fiscais e nas diretorias estatutárias das empresas listadas em Bolsa no País, a estimativa é que, hoje, 165 mulheres ocupem posições em 204 conselhos de administração de 147 empresas.

Para se ter uma ideia, em 2010, as mulheres foram responsáveis pela ocupação de 7,10% dos cargos – considerando uma base de 3.046 posições efetivas.

PUBLICIDADE

Atenção nacional
Segundo uma pesquisa da Catalyst de 2011, em uma comparação com o restante do mundo, o Brasil ocupa uma posição intermediária quanto à diversidade de gênero nos conselhos de administração.

“Enquanto a Noruega é a primeira colocada no ranking, apresentando uma legislação própria que obriga as empresas a terem 40% das vagas em conselhos dedicadas às mulheres, o Brasil está entre os que já adotaram cotas ou estão em transição, com 7,7%”, informa o relatório.

Para a superintendente-geral do IBGC, Heloisa Bedicks, o assunto é extenso, entretanto, está cada vez mais presente nas discussões das companhias brasileiras.

“O levantamento do IBGC é uma continuação do relatório iniciado em 2009. A diversificação nos cargos da alta administração é um tema previsto em nosso código, que sugere a escolha de seus membros por compatibilidade ou superioridade de competências”, detalha a profissional.

Interesse mundial
Segundo o documento, o primeiro país a estabelecer em lei um percentual mínimo para as mulheres nos conselhos de administração foi a Noruega que, em 2003, aprovou uma lei exigindo 40% dos assentos dos conselhos para as mulheres. A lei entrou em vigor integralmente em 2008, quando as empresas de capital aberto deveriam estar adaptadas à regra.

Mais recentemente, outros países que estudaram a imposição de cotas para mulheres e criaram uma legislação para regulamentar o assunto foram a França, Espanha, Holanda, Bélgica e Itália.

PUBLICIDADE

No Brasil, a situação ainda está indefinida. Segundo o levantamento, o movimento em direção ao estabelecimento de cotas em lei no País ainda é incipiente, com somente um projeto de lei já aprovado pela CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado, o PLS 112/10.

Mas a expectativa para o futuro não é das piores. Segundo o levantamento, até 2016, as mulheres devem ocupar 10% dos cargos de conselho em empresas públicas e de economia mista, atingindo 40% em 2022.

O estudo
O estudo avaliou o perfil do conselho de administração de 454 empresas listadas em 2011, além de outras 507 em 2010. O relatório contou com informações levantadas pelo Instituto e dados concedidos pela BM&FBovespa nos últimos dois anos.