Pesquisa: a cada 10 empregos gerados no Brasil, nove pagam até dois mínimos

Para buscar melhores ofertas, nos últimos cinco anos, entre 140 mil e 160 mil brasileiros foram para o exterior

SÃO PAULO – Segundo dados de um estudo realizado pelo professor da Unicamp, Marcio Pochmann, de dez empregos gerados no Brasil, cerca de nove pagam até dois salários mínimos.

Com renda tão baixa, muitos profissionais acabam por procurar novas oportunidades em outras regiões, ou até mesmo, em outros países. Segundo a revista Update, publicação da Câmara Americana de Comércio, para o professor, a busca por melhores ofertas no exterior atingiu um número entre 140 mil e 160 mil brasileiros, nos últimos cinco anos, que abandonam um mercado de trabalho gerador de empregos de baixa qualificação.

Educação decadente é o problema

Esta baixa qualificação é decorrente de uma lacuna existente na educação brasileira. Das crianças matriculadas em escolas de ensino básico, apenas metade o conclui sabendo ler e escrever, enquanto a média de repetência entre os alunos da 1ª a 4ª série é de 20%, número alto em relação à média dos países desenvolvidos (0,8%).

PUBLICIDADE

A educação decadente também provoca outros problemas, como a diferença de renda na população. De acordo com o economista Marcelo Néri, da Faculdade Getúlio Vargas (FGV), da desigualdade de renda do País, 35% são reflexos dos anos de estudo das pessoas.

Educação profissional

O quadro se agrava quando é considerado o ensino profissional. No Brasil, são formados 6 engenheiros por mil pessoas a cada ano, enquanto nos Estados Unidos e no Japão são 25 por mil habitantes, números que refletem a falta de inovação tecnológica das empresas e de investimento.

Com relação aos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, eles estão em torno de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma das riquezas do país. Já nos países desenvolvidos, eles estão entre 2% e 3%.