Pequenos varejistas mostram força com receita superior às grandes empresas

Empresas varejistas com até 19 pessoas concentraram a maior parcela da receita operacional líquida, entre 2005 e 2006

SÃO PAULO – A receita operacional líquida das empresas comerciais com até 19 funcionários aumentaram sua participação de 28,6% para 29,9%, entre 2005 e 2006. Isso significa que elas ultrapassaram as empresas com 500 ou mais pessoas ocupadas, cuja participação foi reduzida de 29,9% para 29,2%, no mesmo período.

Com esse avanço, em 2006, as empresas comerciais varejistas com até 19 empregados concentraram a maior parcela da receita operacional líquida (45,9%), dos salários, retiradas e outras remunerações (55,9%), pessoal ocupado (68,7%) e número de empresas (98,3%) do comércio.

Já nas empresas com 250 pessoas ocupadas ou mais, o estudo constatou uma queda no salário médio do trabalhador, de 4,7 salários mínimos mensais para 3 salários, no período compreendido entre 2000 e 2006.

PUBLICIDADE

Os resultados integram a PAC (Pesquisa Anual de Comércio), realizada e divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (13).

Análise regional

A atividade comercial se concentra na região Sudeste, no entanto, entre 2000 e 2006, as empresas das demais regiões registraram aumento na receita bruta de revenda (que corresponde à receita proveniente da atividade comercial exercida pela empresa, sem deduções dos impostos e contribuições, das vendas canceladas, abatimentos e descontos incondicionais). O Norte teve aumento de 2,7% para 4,0% e o Nordeste de 11,9% para 13,1%.

Por sua vez, no Centro-Oeste, houve alta nos itens pessoal ocupado (de 5,8% para 6,7%) e salários, retiradas e outras remunerações (de 5,6% para 6,5%).