Páscoa e Dia das Mães são oportunidades para ingresso no mercado de trabalho

Embora atue como temporário, o profissional deve se comportar como efetivo, avalia especialista da Global Network

SÃO PAULO – A Páscoa e o Dia das Mães, além de importantes datas para o comércio varejista brasileiro, podem ser traduzidos como períodos determinantes para os profissionais que procuram se inserir no mercado de trabalho. Comércio e indústria são os principais celeiros dessas oportunidades.

“Esta é uma boa oportunidade para quem busca o primeiro emprego ou uma chance para se recolocar no mercado de trabalho”, afirma a psicóloga e headhunter da empresa de recursos humanos Global Network, Rossana Ercole. Embora atue como temporário, o profissional deve se comportar como efetivo.

“Respeitar todas as regras, seguir as normas de boa convivência, respeitar as diferenças e ter um bom relacionamento com todos os colegas é fundamental. Ter um bom comportamento e superar metas já é um bom começo para angariar uma vaga permanente”, pontua.

PUBLICIDADE

É bom também ter cautela e não cometer exageros. Sugerir novas ideias para a empresa, por exemplo, pode ser visto positivamente desde que não seja feito de maneira arrogante. “O profissional temporário jamais pode querer mudar algum processo da empresa sem saber a razão pela qual ele funciona daquela maneira. As sugestões podem e devem ser dadas, desde que sirvam para enriquecer o trabalho e não entrem em conflito com a cultura organizacional”, explica.

Comportamento
Rossana orienta para que o profissional evite qualquer situação desagradável no período em que estiver na empresa. É importante contornar imprevistos da melhor maneira possível.

“Se houver algum incidente e o funcionário temporário chegar atrasado ou faltar, é preciso uma justificativa pertinente para ele não perder as chances de ser efetivado futuramente. O superior deve ser avisado o mais rápido possível e, ao chegar à empresa, o colaborador deve expor a situação pessoalmente e dizer que irá se esforçar para que isto não aconteça novamente”, recomenda.

A oportunidade, por mais que teoricamente seja breve, jamais deve ser vista como um bico. Basicamente, é a porta de entrada no mercado de trabalho para quem quer uma vaga.

“O empregador dá preferência a pessoas que já conhecem a cultura organizacional e que se mostraram interessadas, comprometidas e deram bons resultados no período de contrato temporário. Mesmo que o profissional não seja efetivado naquele momento, ele pode ser chamado mais tarde, por isso o foco não deve ser a efetivação imediata e sim as oportunidades que surgirão no futuro”, finaliza.